Telejornal RTP1 audiências

Falha técnica tira um milhão de espectadores à RTP1

As audiências desta segunda-feira (30) mostram um cenário insólito em termos de comportamento do público. De acordo com os números divulgados pela GfK/CAEM, a RTP1 perdeu 10 pontos percentuais de audiência média num minuto, das 19h59 para as 20h.

No minuto em que se iniciou o Telejornal, a estação pública tinha sintonizados 10,9% dos espectadores portugueses, no entanto, logo a seguir, esse número cai para 0,9%. Uma perda de praticamente um milhão de indivíduos, em números absolutos. A esta queda da estação pública correspondem subidas da RTP África, que transmitia o Telejornal em simultâneo com o principal canal da antena estatal, de 0,2 para 2,4% de rating, e dos Outros, que saltam de 5,6 para 9,8% de audiência média. A categoria ‘Outros’ agrupa todos os consumos televisivos que a GfK não consegue medir, tais como o uso de plataformas de streaming, consolas ou canais de televisão não-auditados.

A esta descida anormal corresponde, logo a seguir, uma subida igualmente anormal. A RTP1 passa de 0,9 para 7,2 às 20h01, uma subida de mais de seiscentos mil espectadores, enquanto a RTP África continua com valores bastante acima dos que costuma registar, em torno de 1% de audiência média. O grupo ‘Outros’ regressa a valores em torno dos 5,5% de audiência média.

Sendo que a medição de audiências é feita através de um sistema de audiomatching – é detetado, através do som, qual o canal que os espectadores se encontram a ver – terá existido aqui uma anomalia que confundiu a emissão dos dois canais da RTP e que, por outro lado, tornou impossível ao sistema descodificar qual a emissão a que correspondia o som, o que explica a subida abrupta do grupo Outros.

A estação pública, num esclarecimento enviado ao Espalha-Factos, explica que “houve um problema de sincronismo” na emissão, que “afetou de modo diferente a distribuição“. Ou, por outras palavras, “nem todas as casas deram por esse problema“. No entanto, a estação de recolha da GfK foi afetada o que, consequentemente, gerou também um problema na produção de audiências. A RTP explica ainda que esta falha não dará lugar a uma correção nos valores de audiência apurados para esta segunda.

A CAEM, comissão responsável pela medição de audiências, contactada pelo Espalha-Factos, não respondeu até agora às perguntas colocadas acerca dos motivos para esta variação abrupta no número de espectadores.

Recordamos que, em 2012, quando a GfK ficou responsável pela medição de audiências, a RTP foi muito crítica do novo sistema de apuramento dos resultados, que servem de bitola para todo o mercado televisivo. Na altura, a estação pública chegou a apresentar vários minutos consecutivos sem a audiência de qualquer espectador e foi a mais prejudicada pelo novo sistema de medição.

Nesse mesmo ano, uma auditoria da PwC apontou “falhas técnicas e maus procedimentos para apuramento dos resultados”, que foram depois corrigidos pela empresa alemã.

Lê também: Rodrigo Guedes de Carvalho recupera 100 mil espectadores ao ‘Jornal da Noite’
Notícia atualizada às 20h48 de 31 de março com declarações da RTP. Título foi alterado, refletindo de forma mais correta o problema verificado.

 

  1. Oh Pedro, se a própria RTP admite um problema de transmissão e se já descobriste que o sistema de audiências é por audiomatching porque estás a querer virar o problema para a GfK, relembrando até problemas de há quase 10 anos atrás? Ai estas noticias que encomendam…

    1. Caro utilizador,

      Obrigado pelo comentário. A RTP realmente admitiu um problema de sincronia na transmissão, que afetou a recolha de audiências. Nós não descobrimos agora que o sistema de audiências é por audiomatching, até porque ele é por audiomatching desde 2012.

      Não atribuímos nenhuma culpa à GfK pela falha existente, mas falha existe e, na verdade, prejudica a credibilidade dos valores medidos – os espectadores que viram a emissão na RTP1, com ou sem problemas de sincronia, não viram a emissão noutro canal, logo, a medição não foi correta. E a verdade é que os valores de audiência não voltam aos valores normais nos minutos seguintes, tal como acontece com a medição, por erro, na RTP África, que também não volta aos valores normais após este minuto de problema mais evidente.

      Lamento informar, mas não houve mais de 100 mil espectadores a ver o Telejornal na RTP África neste dia. Tal como não há em nenhum dos outros dias do ano, e peço desculpa, mas não acredito que tenha acontecido esta segunda-feira um movimento espontâneo de espectadores a mudar para a RTP África durante a duração do Telejornal. Assim sendo, a medição não é correta e isso é um problema. De quem é a responsabilidade, não nos diz respeito. Mas certamente dirá respeito à CAEM, enquanto entidade contratante, e aos associados da CAEM, que acreditamos quererem que a medição seja o mais precisa possível. Quanto às restantes insinuações, recomendo, caso tenha alguma suspeita fundada sobre a idoneidade do nosso trabalho, que a encaminhe às entidades competentes. Há só um inconveniente: Essas queixas têm de ser assinadas.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Mais Artigos
Femicídio Beatriz Lebre
Beatriz Lebre. A cobertura do caso romantiza a violência e é cúmplice da misoginia