Rodrigo Guedes de Carvalho SIC
Fotografia: Reprodução / SIC

Rodrigo Guedes de Carvalho recupera 100 mil espectadores ao ‘Jornal da Noite’

A repercussão gerada em torno de Rodrigo Guedes de Carvalho nas últimas semanas tem contribuído para que o Jornal da Noite some recordes de audiência e consolide a sua liderança nos noticiários da noite. Depois de uma semana em que Clara de Sousa assegurou a apresentação do noticiário e manteve intacta a liderança, o pivot veterano da SIC voltou esta segunda-feira (30) aos ecrãs e as audiências subiram.

O Jornal da Noite conseguiu uma média de 1 milhão e 693 mil espectadores, correspondentes a 17,9% de audiência e 28,4% de share, e foi o programa mais visto do dia, foram mais 100 mil espectadores do que na emissão de domingo. Este valor é a melhor marca do espaço informativo desde o passado dia 22, que foi precisamente o último dia de Rodrigo Guedes de Carvalho nos ecrãs da SIC antes da sua semana de folga.

O Polígrafo SIC, habitual rubrica do Jornal da Noite à segunda-feira, teve a sua edição mais vista de sempre, com 1 milhão e 740 mil telespetadores e 28,8% de share. Em comunicado, a SIC destaca a boa performance da rubrica nos targets comerciais ABCD 15/54 e ABCD 25/54, com 29.7% e 31.1% de share respetivamente.

A concorrência manteve-se a larga distância. O Jornal das 8 da TVI conseguiu uma média de 1 milhão e 66 mil espectadores (11,3% / 17,9%), ficando isolado no segundo lugar. Na RTP1, o Telejornal foi particularmente penalizado nesta segunda-feira, caindo para os 801 mil espectadores (8,5% / 13,5%). De seguida, o Especial Estado de Emergência, caiu para os seus piores valores, sendo visto por 748 mil pessoas (7,9% / 12,4%).

Antes do Telejornal foi exibido o Direito de Antena, que terá contribuído para o mau arranque do noticiário da RTP1, por perder parte do público que “herdou” de O Preço Certo, que às 19h52 tinha um pico de 12,9% de audiência. Paradoxalmente, os 6 minutos atribuídos ao Bloco de Esquerda foram o programa do Canal Um com melhor audiência média, conseguindo 1 milhão e 73 mil espectadores (11,3% / 19,7%).

O Jornal da Noite impulsionou os resultados do horário nobre da SIC, que viu as suas duas novelas portuguesas baterem novos máximos de audiência. Na média total do dia a estação da Impresa voltou a ser a mais vista, com 20,1% de share. Na luta pelo segundo lugar, a TVI conseguiu começar a semana destacada da RTP1, com 13,4% de share contra 11,2% do canal público.

Amor Maior

Amor Maior bate recorde contra “novidades” da concorrência

Num dia em que a TVI começou a reexibir a novela Destinos Cruzados ao início da tarde, e em que a RTP1 apostou na repetição da série Solteira e Boa Rapariga, foi a SIC quem saiu a vencer no horário.

Amor Maior tem aproveitado o aumento do consumo televisivo e viu subir consideravelmente a sua audiência. O episódio desta segunda-feira conseguiu em média 575 mil espectadores, batendo um recorde de 6,1% de audiência, um valor muito acima dos 3,5% que a repetição da novela tem em média desde o início do ano. O share situou-se nos 15,9%, em linha com a média anual de 16,3%.

Na TVI, o primeiro episódio de Destinos Cruzados ficou distante da novela da SIC, obtendo uma média de 421 mil espectadores (4,4% / 11,6%). Quanto à RTP1, a reexibição de Solteira e Boa Rapariga arrancou com 268 mil espectadores (2,8% / 7,3%), ficando praticamente empatada com a CMTV no horário.

Outros destaques do dia

  • Com mais gente em casa, os talk shows Júlia (6,4% / 15,9%) e A Tarde é Sua (5,0% / 11,6%) bateram novos máximos anuais de audiência. Na RTP1, A Nossa Tarde (3,3% / 8,5%) ainda conseguiu se aproximar em alguns momentos do programa de Fátima Lopes mas em média ficou num distante terceiro lugar.
  • A TVI voltou a apostar na repetição de Casos da Vida para o final da noite, e esta segunda-feira o telefilme Milionária a Dias conseguiu uma média de 279 mil espectadores (2,9% / 11,4%). Embora sem hipóteses de vencer Amor de Mãe (6,8% / 18,5%), o telefilme português liderou sobre Passadeira Vermelha (1,9% / 9,7%), que caiu para o pior share do ano.
Dados Live+Vosdal referentes a 30 de março de 2020, da responsabilidade da GfK/CAEM.
Mais Artigos
Xinobi: “Temos de usar a criatividade como forma de superar a adversidade”