Por Trás dos seus olhos Eve Hewson
Fotografia: Divulgação/Netflix

Crítica. ‘Por Trás dos Seus Olhos’: tudo o que é de mais, enjoa

Por Trás dos Seus Olhos é o novo thriller psicológico, com um pouco de sobrenatural à mistura, da Netflix. A série, criada por Steve Lightfoot, argumentista em Hannibal e The Punisher, é uma adaptação do romance homónimo de Sarah Pinborough.

A série foca-se num triângulo amoro entre Louise (Simona Brown), secretária do psiquiatra David (Tom Bateman), e a sua esposa Adele (Eve Hewson). Louise é uma mãe solteira, que trabalha como secretária no consultório de psiquiatria onde David dá consultas. Os dois começam a ter um caso, quando Adam (Tyler Howitt), filho de Louise, vai passar uma temporada a casa do pai, em França.

Na mesma altura em que Louise começa um romance com David, torna-se amiga de Adele, depois de as duas se terem encontrado na rua. Aos poucos, descobrimos o passado de Adele, que esteve internada num hospital psiquiátrico, com Stress Pós-Traumático, depois dos pais terem morrido num incêndio. É lá que conhece Rob (Robert Aramayo), outro paciente, com quem trava uma forte amizade, mas os dois afastam-se, por causa de David. Ao longo da série, percebemos que o casamento de David é assombrado por fantasmas do passado de Adele: a morte dos pais e o fim da amizade com Rob. Os dois têm uma relação tóxica, na qual se controlam mutuamente, e Louise torna-se uma variante desta complicada equação, o que pode ter consequências graves tanto para si, como para o seu filho.

Cenas exageradas, mas com boa prestação dos atores

Por Trás dos seus olhos
Eve Hewson como Adele em Por Trás dos Seus Olhos (Fotografia: Netflix/Divulgação)

Por Trás dos Seus Olhos é um thriller psicológico demasiado sufocante, o que se torna maçador. As cenas mais violentas entre David e Adele são por vezes exageradas, só para chocar o espectador, numa tentativa desesperada de  prender a nossa atenção. No entanto, ambos os atores, Tom Bateman e Eve Hawson têm uma prestação brilhante nesta série e conseguem dar a volta e humanizar alguns diálogos menos bem escritos.

Do mesmo modo, as cenas eróticas entre Louise David também conseguem ser maçadoras. Percebe-se que o argumentistas queiram que os espectadores entendessem que a ligação das duas personagens não é só emocional, mas também física. No entanto, isto só faz sentido até a um certo ponto.

Contudo, há cena sufocantes bem escritas e filmadas, como é o caso dos terrores noturnos de Louise. Estas partes, embora violentas e algo perturbadoras, são uma janela para o subconsciente de Louise e dão corpo à personagem. Se a série tivesse um orçamento maior, decerto que os efeitos especiais seriam mais realistas, mas é fácil ultrapassar esse pormenor e focar no que realmente importa. À semelhança de Bateman e Hawson, Simona Brown tem uma prestação incrível enquanto Louise. Nas palavras da autora do romance, em entrevista para a Netflix UK & Ireland, “a ‘Louise’ da Simona consegue ser melhor que a minha ‘Louise’“.

Uma das grandes surpresas é o pequeno Tyler Howitt, que interpreta Adam, filho de Louise. Embora seja bastante jovem, Howitt tem uma excelente prestação e adivinha-se um futuro promissor para o ator. Simona Brown e Howitt têm uma cumplicidade incrível, o que dá vida às cenas que os dois partilham, enquanto mãe e filho.

Por Trás dos seus olhos Netflix
Simona Brown e Tyler Howitt como Louise e filho em Por Trás dos Seus Olhos (Fotografia: Divulgação/Netflix)

Spoiler alert: A partir daqui há spoilers da série

O final de Por Trás dos Seus Olhos dividiu leitores, quando o livro foi lançado. O mesmo aconteceu aquando do lançamento da série. O final da série sofre do síndrome de plot twists e morte de protagonistas que tem contaminado a ficção contemporânea. A “moda” de matar protagonistas não é de agora, mas com a popularidade de séries como A Guerra dos Tronos Breaking Bad, há uma certa pressão para baralhar novamente as cartas à medida que o final se aproxima.

O problema com o final de Por Trás dos Seus Olhos é a existência de dois plot twists. No penúltimo episódio da série, descobrimos que Adele tem a capacidade de sair do seu corpo enquanto dorme e observar as pessoas. A própria Louise chega a dominar esta habilidade nos dois últimos episódios da série e põe-na em prática para salvar Adele, numa casa em chamas. O que Louise não sabe é que Adele tem a capacidade de trocar de corpo. No último ato da série, Adele droga-se e troca de corpo com Louise, que morre com uma overdose.

Se a série ficasse por aqui, teria um final interesse, mas Pinborouh dá outra volta ao enredo, o que podia ter ficado fora de série. Descobrimos que Adele é na verdade Rob, que se apaixonou por David mal o viu, assim como pela riqueza de Adele.

Por um lado, este final funciona: esta troca de corpo explica porque é que Adele é viciada em heroína e tem na sua posse o diário que Rob escreveu na insitituição psiquiátrica, onde os dois se conheceram. Sem este final, a toxicodependência de Adele não faria sentido, porque a única personagem que usa drogas, ao longo da série, é Rob. Do mesmo modo, também não faria sentido Adele ter o diário de Rob, porque a amizade dos dois acabou quando David apareceu e porque nunca o vemos o caderno a trocar de dono.

Por outro lado, este final é inconsistente com o resto da série: Rob diz que faria o que fosse preciso para “proteger” Adele, mas acaba por matá-la. Do mesmo modo, Rob odeia David, até o conhecer, mas, em breve segundos, apaixona-se. Esta repentina troca de sentimentos, sobre Adele David, não é coerente. Como é que é possível Rob matar a melhor amiga e apaixonar-se pelo homem que odeia no mesmo dia? Claro que Rob é uma pessoa perturbada, mas, mesmo assim, é um final que não faz sentido.

Por Trás dos seus olhos Eve Hewson
7

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
25 de abril
RTP prepara programação especial para assinalar 47 anos de Revolução dos Cravos