lisbon film orchestra
Catarina Alves

A Lisbon Film Orchestra deu banda sonora ao Campo Pequeno

São já dez anos de Lisbon Film Orchestra (LFO). No passado domingo, 9 de dezembro, tivemos oportunidade de aprovar a consistência de um trabalho notável que superou expetativas e engrandeceu algumas das melhores bandas sonoras que todos conhecemos.

Em boa verdade, já tínhamos tido a oportunidade de saborear o potencial deste projeto na Comic Con Portugal. Queríamos ter uma nova oportunidade para desfrutar esse momento. Como seria de esperar, a orquestra não falhou. E o espetáculo foi grande.

A LFO esgotou o Campo Pequeno e as cinco mil pessoas esperavam ansiosamente pelo início do espetáculo de uma orquestra composta por 60 músicos e dirigia pelo maestro Nuno de Sá.

Star Wars

Poucos minutos depois da hora marca, começam as surgir as primeiras imagens na tela por detrás dos músicos e a intensidade musical quase que fez estremecer o Campo Pequeno. Apelou-se a que fossem acendidas as lanternas dos telemóveis e iniciou-se a festa com o tema de Star Wars.

Com o mesmo critério musical e visual, deu-se início ao clássico Indiana Jones, seguido de Regresso ao Futuro. Audition foi o tema escolhido da galardoada banda sonora de La La Land, escrita por Justin Hurwitz, e interpretado pela voz tanto poderosa como melodiosa de Diana Lucas.

Audition, interpretada por Diana Lucas

Depois de Senhor dos Anéis, tivemos um momento bem português, com a representação de Lamento do filme Amália, escrita pelo Nuno Maló, com interpretação de Abel Gomes, no violoncelo.

Em apenas 30 minutos de espetáculo a LFO já nos tinha conquistado, mas o melhor ainda estava para vir. Foi altura de prestar tributo a Hans Zimmer, com Time, de Inception.

Após uma breve pausa para um pequeno momento de humor por parte de Nuno de Sá, eis que a batuta é trocada pela guitarra e se iniciou My Life Is Going On, da famosa série A Casa de Papel, interpretada por Patrícia Duarte.

My Life Is Going On, Casa de Papel

Por esta altura, a arena do campo pequeno tornou-se numa extasiada manifestação de aplausos, que não acalmou com o tema de Harry Potter.

Seguiram-se os temas dos filmes Cinema Paraíso, interpretado novamente por Diana Lucas, e também do Batman (de Danny Elfman). Patrícia Duarte voltou a subir a palco para dar voz (e que voz) ao tema Skyfall, de 007, seguida do icónico tema de Guerra dos Tronos. A reação na sala fez voltar-se a perceber que estavam ali milhares de pessoas.

Skyfall, interpretado por Patrícia Duarte

Por fim, o espetáculo terminou em grande com a representação do tema de Piratas da Caraíbas. O maestro Nuno de Sá agradeceu, garantindo que em 2019 haverá mais espetáculos (e que nós estejamos lá para ver!). Seguiu-se um encore composto pela Marcha Imperial (de Star Wars), finalizando (desta vez, de verdade) com o tema de Missão Impossível, com um palco carregado de chamas de fogo que nos aqueceram por dentro e por fora.

Duas horas de espetáculo e quatro décadas de história cinematográfica depois, o campo já nos pareceu demasiado pequeno para receber esta orquestra que aqueceu a alma dos presentes, recordando aquelas músicas que todos conhecemos e a que ninguém é indiferente, nem que seja para apenas abanar o pezinho.

Texto de Francisco Carriço

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
‘The Life Ahead’ conquista top 10 da Netflix em 37 países