Hip to da Hop é o filme documental sobre a cultura do Hip Hop em Portugal e já tem estreia marcada para 2019. Realizado por António Freitas e Fábio Silva, o filme conta com a presença de mais 40 artistas dessa área de norte a sul de Portugal.

Depois de se estrear no Festival Internacional de Cinema de Lisboa – IndieLisboa e participar em festivais internacionais (Hip Hop Film Festival, Nova Iorque e Golden Tree International Documentary Film Festival, Frankfurt), eis que chega às salas de cinema o primeiro documentário a nível nacional sobre as quatro vertentes do hip hop.

Já com participação ativa na cultura hip hop durante anos, António Freitas e Fábio Silva escolheram debruçar-se sobre ela quando tiveram a vontade de desenvolver um documentário em conjunto. Em entrevista ao Rimas e Batidas, os realizadores confessaram que a ideia “surge em Outubro de 2015 com a vontade de produzir um filme para homenagear o hip hop”.

Hip to da Hop pretende refletir os valores, história e transformações de uma cultura que tem vindo a ganhar cada vez mais fãs. O principal objetivo de António e Fábio é compreender em que ponto é que se encontra o Hip Hop atualmente e em que ponto se encontra a união entre as suas quatro vertentes. São essas: rappers, DJs, writers ou bboys, como se pode ler no subtítulo do filme.

Poster do filme Hip to da Hop

 

Orelha Negra, Mundo Segundo, Slow J, Chullage, NBC, Odeith e Beatbombers são alguns dos nomes presentes no trailer. No entanto, nem todos figuram no vídeo. Os realizadores confessam, ainda ao rimas e batidas, que tiveram  “o cuidado de escolher a dedo cada uma delas. Temos figuras muito conhecidas do público e outras menos conhecidas”.

Ao ver dos realizadores o mais importante é que o documentário viva muito de imagens e silêncios, “que seja uma obra cultural”. O testemunho dos vários artistas é acompanhado por um registo de imagens fascinante .

Apesar do filme ser independente, ambos os realizadores pertencem ao estúdio criativo Follow Creative Studio, que tem vindo desde o seu inicio a realizar peças com o mesmo registo cinematográfico. O filme chega aos cinemas nacionais em 2019.