Boris Guzin

Cinderella

Uma dança a dois, entre a multidão

Pé ante pé, levemente, assim como quem descobre um segredo. Como se se revelasse em frente aos nossos olhos aquilo que o nosso imaginário carregou durante anos e anos. Nos embalos de um palco, a sincronia é perfeita, com o sapatinho de cristal transformado em sapatilha de ponta. Falamos de Cinderela, o bailado em três atos pela Companhia Nacional de Bailado no Teatro Camões, em Lisboa. Está em cena até 15 de dezembro.