Leonor Carmo

Chamavam-me “sabichona”, mas nunca achei que soubesse tudo. Quero ajudar multidões a navegar o mundo através de estórias cativantes, mas, sobretudo, verdadeiras. E em que outro lugar o fazer, senão no jornalismo?