O Espalha-Factos terminou. Sabe mais aqui.
portugal mundial 2022 audiências SIC TVI
Fotografia: Seleção/Twitter

SIC mantém liderança, mas TVI fica a apenas quatro décimas de distância

A SIC voltou a conquistar a liderança em novembro, mas viu a TVI a apenas quatro décimas de distância, o valor mais baixo desde abril. Já a RTP1, à boleia do Mundial 2022, disparou 2,1 pontos percentuais e teve o melhor registo em dois anos.

SIC sobe, mas TVI cresce mais e aproxima-se da liderança

Num mês especialmente competitivo para Paço de Arcos, o canal da Impresa somou a sua 46.ª vitória mensal consecutiva. A SIC registou mesmo uma subida de uma décima face a outubro, terminando novembro com 16,2% de quota de mercado. Em termos homólogos, este valor representa uma queda de 2,7 pontos percentuais.

Do lado da TVI, a média foi beneficiada pela Liga dos Campeões e pela transmissão do jogo inaugural da seleção portuguesa no Mundial de 2022. O canal subiu quatro décimas e atingiu os 15,8% de share, o valor mais alto desde maio, mas que representa uma queda de 0,6 pontos percentuais em termos homólogos.

Assim, a diferença entre SIC e TVI reduziu-se em novembro de sete para quatro décimas, em mais um sinal do crescente equilíbrio entre as privadas. Esta é a diferença mais curta desde abril.

Em comunicado, a SIC destaca a liderança do Jornal da Noite, das novelas portuguesas no horário nobre dos dias úteis e dos talk-shows Casa Feliz e Júlia. Já a TVI sublinha em comunicado que Festa é Festa conserva o título de novela preferida dos portugueses e enaltece a liderança das galas do Big Brother.

A RTP1 foi o canal generalista que mais cresceu em novembro. Impulsionada pela transmissão de vários jogos do Mundial, incluindo o jogo de qualificação de Portugal para a fase seguinte, a estação disparou 2,1 pontos percentuais para uma média mensal de 12,1% de quota de mercado. Este resultado é não só o melhor do ano, como o melhor registo da RTP1 desde novembro de 2020.

Prejudicada pelo crescimento das generalistas, a CMTV derrapou cinco décimas para os 4,7% de share mensal. Este é o seu pior registo desde maio, mas suficiente para o canal da Cofina conservar a liderança do cabo.

Do lado dos informativos, a CNN Portugal deslizou três décimas para os 2,9%, enquanto a SIC Notícias perdeu uma décima para os 2% de share. Em contraciclo, a RTP3 subiu uma décima para os 1,3% de quota de mercado.

Primeiro Jornal e Linha Aberta dominam início de tarde.
SIC / Reprodução

SIC e TVI repartem lideranças, mas RTP1 também dá sinais de vida

Numa análise mais fina das audiências mensais, a partir das médias dos canais por faixas de 15 minutos, verificamos que as duas estações privadas repartiram sucessivamente as lideranças da manhã, da tarde e da noite. De manhã, a RTP1 conservou a tradicional liderança entre as 7h45 e as 10h15, à boleia do Bom Dia Portugal. Em seguida, das 10h15 e até às 12h, é a TVI que assume o primeiro lugar, fruto dos bons resultados do Dois às 10. É só a partir do 12h que Paço de Arcos passa para a liderança.

Com início ao 12h, a SIC inicia um bloco significativo em que fica em primeiro lugar e que se prolonga até às 16h. Aqui, a última parte do Casa Feliz, o Primeiro Jornal e o Linha Aberta foram os fatores decisivos. No seu pico, entre as 13h15 e as 13h30, o canal atingiu uma média de 25,2% de share. A partir das 16h e até às 18h, impulsionada por Goucha, a estação de Queluz foi líder. Entre as 18h e as 19h, a SIC retomou o primeiro lugar, sustentado nas novelas brasileiras, apenas para o perder logo a partir das 19h, com O Preço Certo a devolver o comando das audiências para a RTP1, que se estendeu até às 20h30.

O Jornal da Noite só conseguiu reposicionar a SIC para o topo a partir das 20h30, num domínio que se prolongou até às 22h. A partir deste ponto, e com a exceção de um único segmento (22h45-23h), a TVI liderou todos os blocos consecutivamente até às 5h30 da madrugada, num desempenho positivo das novelas da noite e do Big Brother.

Top 100 dos programas mais vistos do mês:

Dados de audiência Total Dia (Live+VOSDAL) da responsabilidade da GfK/CAEM para o mês de novembro de 2022.