Michael Keaton em Dopesick
Michael Keaton em Dopesick (Fotografia: Reprodução/D.R.)

‘Dopesick’ expõe origens da epidemia de opioides que assola os EUA

Dopesick, a nova série que chega agora à Disney+, conta a história de como um medicamento criou uma das mais terríveis epidemias dos Estados Unidos da América. O Espalha-Factos viu os três primeiros episódios, e diz-te porque não vais querer perder esta série.

Dopesick expõe a ganância da indústria farmacêutica que encorajou médicos, farmacêuticos e políticos a aceitar e receitar uma substância que sabiam ser viciante, e tendo provas dos seus riscos para a saúde pública. A série, adaptada a partir do best-seller homónimo de Beth Macy, Dopesick – Dealers, Doctors and the Drug Company that Addicted America, mostra como OxyContin foi apresentado ao público e à comunidade médica como uma “droga milagrosa”. Para a vender, os fabricantes alegaram que esta poderia gerar dependência a menos de 1% dos consumidores, para desconfiança e surpresa dos profissionais de saúde que, no entanto, e após a insistência da marca, acabaram por acreditar nos seus supostos benefícios.

dopesick
Imagem: Divulgação

Dr. Samuel Finnix (interpretado por Michael Keaton, também produtor da série), é um médico por vocação, que toma o cuidado de visitar os pacientes mais frágeis para verificar se estão bem e se tomaram a sua medicação. Apesar da sua resistência inicial em prescrever OxyContin e de estranhar que um medicamento tão eficaz causasse tão pouco dependência, acaba por começar a receitá-lo aos seus pacientes.

A partir daí, Dopesick transporta-nos para vários momentos da história desta epidemia desde que o analgésico entrou no mercado em 1995. Ao longo da série, acompanhamos a jornada dos protagonistas à procura de evidências significativas para provar aquilo em que acreditam e vêm acontecer e, com o desenrolar dos episódios, vemos a dificuldade em chegar às fontes e em obter informação, dado que a sua luta é contra a poderosa e respeitada família Sacklers, filantropos e proprietários da Purdue Pharma, fabricante da OxyContin.

A série mostra como os proprietários da OxyContin procuraram expandir o seu negócio e torná-la a sua “blockbuster drug”, bem como as suas táticas e aliados para o alcançar. Desesperados em aumentar as vendas, observamos enquanto focam a sua estratégia em mentiras e incentivam os seus vendedores, como Billy Cutler (Will Poulter), a convencer médicos a prescrever o opioide, ensinando-lhes métodos para ganhar a sua confiança como traçar o perfil de personalidade completo dos profissionais, levar-lhes presentes e a repetição de um discurso de vendas pré-feito.

Kaitlyn Dever e Cleopatra Coleman em Dopesick
Fotografia: Reprodução/D.R.

A trama inclui várias histórias paralelas, como a de Betsy Mallum (Kaitlyn Dever), uma jovem que trabalha nas minas, no Kentucky, um estado com uma grande população mineira, alvos perfeitos dos proprietários da OxyContin para propagar a sua “cura da dor”.

Dopesick é uma série obrigatória para compreender como uma substância tão grave para a saúde pública, que já provocou mais de 500 mil mortes, foi disseminada com o apoio de uma campanha de marketing selvagem, de organizações que a aprovaram, médicos que a receitaram e farmacêuticas que a venderam, à medida que milhões de pessoas foram ficando dependentes e viram as suas vidas arruinadas, sem que os seus gritos de ajuda fossem ouvidos.

Michael Keaton em Dopesick
9