Squid Game
Fotografia: Youngkyu Park/Netflix

‘Squid Game’ vai ter segunda temporada, confirma criador da série

Squid Game, a série mais vista de sempre da Netflix, vai ter uma segunda temporada. Foi o criador, realizador e argumentista da série, Hwang Dong-hyuk, que avançou com a confirmação.

Os fãs pediram e conseguiram. O fenómeno sul-coreano vai regressar para uma segunda temporada.

Em entrevista à Associated Press, Hwang Dong-hyuk revelou que vai mesmo haver mais aventuras de Gi-Hun. “Tem havido tanta pressão, tanta procura e tanto amor por uma segunda temporada. Por isso, eu quase sinto que [os fãs] não nos deixam qualquer hipótese!”, começou por brincar. “Mas eu posso dizer que vai mesmo haver uma segunda temporada. Está na minha mente neste momento. Estou atualmente a planear o processo, mas penso que é demasiado cedo para dizer quando ou como vai acontecer. Portanto, prometo-vos isto…o Gi-Hun vai voltar e fará algo pelo mundo”, esclareceu o realizador.

A série transformou-se na mais vista de sempre da Netflix, depois de ter sido assistida por 111 milhões de subscritores nos primeiros 28 dias após a estreia. Conta a história de 456 pessoas endividadas que são recrutadas para um jogo onde poderão ganhar milhões. No entanto, só não sabem que quem perde o jogo acaba por morrer.

Squid Game gerou preocupação em vários países devido à violência representada na série, que estava a ser imitada pelas crianças na escola. Na série, que está classificada para maiores de 16 anos, os participantes do jogo mortífero competem através de jogos infantis tradicionais, como o “macaquinho do chinês”, mas com um desfecho trágico para quem perde.

A inspiração para a série mais vista da Netflix

A série foi escrita em 2009 e demorou 10 anos até que fosse produzida. Sobre a inspiração para a série, Hwang Dong-hyuk revelou à Variety que quando teve problemas financeiros, passava algum tempo em cafés a ler banda-desenhada japonesa e imaginava como poderia sobreviver nesses mundos.

Eu queria escrever uma história que fosse uma alegoria ou fábula sobre a sociedade capitalista moderna, algo que representasse uma competição extrema, quase como a extrema competição da vida. Mas eu queria que tivesse o tipo de personagens que todos nós já conhecemos na vida real“, explicou à mesma publicação.