Alô Marco Paulo
Fotografia: SIC/Divulgação

RTP1, SIC e TVI não convencem ao sábado e televisão aberta regista mínimos

A programação de sábado dos canais abertos parece não cativar o público. Apesar de o consumo televisivo estar dentro da média anual, a RTP, a SIC e a TVI somadas tiveram o pior share desde agosto.

No total, os canais de acesso livre (RTP1, RTP2, SIC, TVI, RTP3 e RTP Memória) conquistaram este sábado (23) apenas 43,1% de quota de mercado, e uma audiência média de 10,2%. É preciso recuar até ao final de agosto para encontrar um dia com resultado inferior. A média anual da televisão aberta situa-se nos 50,1% de share.

A SIC foi o canal mais visto, com 16,5% de quota de mercado, quase três pontos atrás da fatia denominada Outros, que concentrou 19,2% do share do dia. Este segmento inclui o consumo de televisão gravada, plataformas de streaming ou jogos, por exemplo. Foi o resultado mais alto do ano para os ‘outros usos da televisão’.

Enquanto isso, a TVI desceu para 13,7% de share e a RTP1 não foi além dos 10,4% de share, não beneficiando da perda de competitividade das concorrentes privadas. Em linha com os valores habituais ficaram a RTP3 (1,3%), a RTP2 (1%) e a RTP Memória (0,9%).

Lê também: Como é feita a medição de audiências em Portugal?

‘Jornal da Noite’ é o único a passar o milhão

O Jornal da Noite, noticiário da SIC, foi o único programa a conseguir ultrapassar a barreira de um milhão de espectadores este sábado, com 10,8% de audiência média e 21,7% de share, o equivalente a uma média de 1 milhão, 22 mil e 200 espectadores. Telejornal (8,3% / 16,6%) e Jornal das 8 (7,9% / 15,9%) ficaram longe.

Festa é Festa (10,5% / 21,9%) conseguiu bater Terra Nossa (9,5% / 21,3%), mas ficou a dois mil indivíduos de atingir a marca da audiência média de um milhão de espectadores.

No horário nobre, em que foram ainda emitidos a série Pecado (7,3% / 18,7%), que desceu aos piores valores desde a estreia na TVI, Quem Quer Namorar com o Agricultor – A Semana (4,6% / 17,4%) e Big Brother – A Semana (3,3% / 14,8%), os Canais Cabo concentraram 33,3% do share. Na RTP1, as apostas foram Doce (4,6% / 9,2%), Joker – VIPS (4,2% / 9,1%) e História do Teatro de Revista em Portugal (1,9% / 5,6%).

Tarde afunda com Marco Paulo e ‘Em Família’

No período da tarde, Alô Marco Paulo foi líder entre as generalistas com uns anémicos 13,3% de share, e audiência de 4,6%, empurrando Em Família (3,9% / 11,3%) para o pior share do ano. Aqui Portugal (3,2% / 10,2%) ficou mais próximo da TVI do que nas últimas semanas. No mesmo período, os Outros somavam 20,8% de share e os Canais Cabo estavam acima dos 40%.

O programa do popular cantor cedeu depois a vantagem a O Preço Certo (8,1% / 18%) ao final da tarde, com Fernando Mendes a trazer de volta a liderança à televisão “convencional”.

Outros destaques

  • Primeiro Jornal (8,4% / 25,2%) foi o quinto programa mais visto do dia, enquanto o Jornal da Tarde (4,9% / 14,7%) e o Jornal da Uma (4,8% / 14,5%) trocaram de posições por décimas.
  • O Alta Definição com Joana Marques deu a liderança à SIC ao início da tarde. 8% de audiência média e 24,8% de share para a conversa da humorista com Daniel Oliveira. Logo a seguir, na TVI, Conta-me desceu à segunda pior audiência do ano com Rúben Rua – 4,4% de audiência média e 14,5% de share.
  • E-Especial (5% / 16,8%), que tem perdido para o formato da TVI, recuperou o primeiro lugar.
  • A repetição de Programa Cujo Nomes Estamos Legalmente Impedidos de Dizer, na madrugada de sábado para domingo, conquistou a liderança com 0,4% de audiência média e 8,7% de share. Um valor superior à emissão original, na sexta, com 0,3% de audiência e 1,5% de share.