dear white people 4
Fotografia: Divulgação/Netflix

‘Dear White People’ regressa para a quarta e última temporada

A nova temporada da série da Netflix é lançada esta quarta-feira, dia 22 de setembro, e vai ser um musical.

Dear White People está de volta para uma quarta e última temporada esta quarta-feira (22), na Netflix. A série vai continuar a explorar temas de racismo sistémico e a experiência de jovens negros americanos, mas desta vez em formato musical.

A comédia dramática recomeça no ponto em que acabou a terceira temporada, com a protagonista Samantha White (Logan Browning) e o amigo Lionel Higgins (DeRon Horton) prestes a descobrir um importante segredo sobre a misteriosa Ordem X. A nova parte vai acompanhar o quarto e último ano de licenciatura das personagens em Winchester, uma universidade predominantemente branca da Ivy League, onde a discriminação é ocultada por uma fachada de igualdade.

Justin Simien, criador e realizador da série, afirmou que o capítulo final da história vai ser um resumo de tudo o que se tem vindo a tratar até agora. “[Os espectadores] vão ver-nos, é claro, a explorar mais questão ligadas ao racismo sistémico. Mas é realmente possível liderar um movimento pelos direitos civis num lugar tão capitalista [como Winchester]? Esta é uma das questões que vamos colocar em cima da mesa“, adiantou Simien no programa Entertainment Tonight.

Mudanças no elenco habitual

Samantha White, locutora do programa de rádio que dá nome à série e cara do movimento por justiça social em Winchester, regressa ao ecrã com os companheiros Lionel Higgins, Gabe Mitchell (John Patrick Amedori), Joelle Brooks (Ashley Blaine Featherson), Coco Conners (Antoinette Robertson), Troy Fairbanks (Brandon P. Bell) e Reggie Green (Marque Richardson).

Quem não regressa na última parte é Rashid Bakr, interpretado por Jeremy Tardy, devido a disputas contratuais entre a produção e o ator. Tardy explicou o motivo do afastamento numa thread na sua conta twitter em setembro de 2020, onde acusa a produtora Lionsgate de “práticas de discriminação racial”, alertadas por um colega branco, e apontou um impasse nas negociações salariais.

Em janeiro de 2021, foi anunciado que o ex-participante de Queer Eye, Karamo Brown, teria um papel na temporada final. No entanto, os detalhes sobre a personagem são ainda um segredo bem guardado da produção.

Novo formato para a mesma narrativa

Dear White People começou como um trailer conceitual em 2012 e tornou-se num filme independente premiado em 2014, após a estreia no Festival Sundance. Em 2017, a série da Netflix estreou a primeira temporada, um volume de dez episódios como as demais, baseada no filme com o mesmo nome.

A série foi aclamada pela crítica pela sátira inteligente e provocatória, embora prosélita, em que mergulhava. Contudo, não sem antes conhecer um início conturbado: ainda a série não tinha estreado e já a internet se escandalizava com o nome. Este refere-se ao programa de rádio homónimo que a protagonista, Sam, apresenta na universidade e tende a polarizar opiniões.

A trama acompanha as vidas de um grupo de jovens negros que exploram questões raciais num ambiente que hesita em assumir a presença de disparidades, depois de uma fraternidade organizar uma festa de Blackface no campus. Entre o ativismo millenial e uma sociedade complexa, eles têm ainda de lidar com relações e dramas pessoais.

A quarta temporada deveria ter estreado em 2020, mas a pandemia obrigou a adiar sucessivamente as gravações. Agora que o conteúdo se esgota, o final, que o criador Justin Simien afirma ser “em grande”, chega na forma de um musical afro-futurista, inspirado nos anos 90.

Logan Browning as Samantha White em Dear White People. Fonte: LARA SOLANKI/NETFLIX © 2021

Sobre a experiência, Simien, que se mantém como realizador e coargumentista da série, diz estar “incrivelmente grato” que o seu filme indie tenha chegado até quatro temporadas na Netflix.Esta série, além dos muitos e incrivelmente talentosos contadores de histórias que arrastou para a minha órbita, mudou a minha vida e mal posso esperar por criar um último volume celebratório para se encaixar nesta experiência transformadora“, acrescentou o criador.

Mistérios de longa data vão ser desvendados em temporada final

Na temporada anterior, Sam e Lionel descobriram que a misteriosa Ordem X era uma sociedade secreta composta por ex-estudantes negros em Winchester, que usou o poder para obscurecer, entre outros assuntos, as alegações de abuso sexual contra o professor Moses Brown (Blair Underwood). Depois de chegarem a essa conclusão, os dois amigos encontram-se com Troy, o filho do reitor da universidade, que recorda a sua presença numa reunião secreta. No final, é implicado que vão trabalhar juntos para desmantelar a Ordem.

Reggie e Joelle parecem estar a ter problemas na sua relação. A rapariga tinha tomado conta do programa de rádio Dear White People depois de Sam se afastar, mas desistiu no final da terceira temporada. Ficou, no entanto, em aberto se Sam vai retomar o seu lugar ou abandonar o programa polémico na temporada final.

Por sua vez, Coco e Troy já não são o casal maravilha da universidade. O rapaz juntou-se à polémica Pastiche, uma revista de cartoon satírico controlada por Kurt Fletcher (Wyatt Nash), o líder da fraternidade que organizou a polémica festa de Blackface e que com o tempo se tornou num antagonista benévolo. No final da temporada, Troy percebe que está a ser usado por Kurt e decide criar a sua própria revista com um grupo de amigos.

O troll de extrema-direita que atormentava Sam nas redes sociais era afinal Silvio, o ex-editor de Lionel no jornal da escola (e brevemente o seu interesse amoroso). Depois de algumas incursões no universo gay universitário, Lionel explora agora um novo romance com Michael, que é seropositivo. Entretanto, Gabe e Sam parecem ter-se reconciliado após a morte do pai da jovem, indicando que talvez retomem o romance.

O trailer esclarece que o tema musical não vem totalmente ao acaso, já que a temporada se vai centrar na tradição da turma de último ano de produzir um programa de variedades. Assim, em vez de uma série de sketchs, os amigos da residência negra de Winchester decidem fazer um musical que homenageie a cultura negra, com hits de sucesso e números de dança. No entanto, nem todas as associações de estudantes negros concordam com a produção e vão surgir atritos.

Da mesma forma, também haverá um vislumbre sobre o futuro das personagens depois da faculdade num mundo pós-pandémico. Tal vai acontecer numa prolepse em que recordam como o último ano mudou tudo.

A quarta temporada de Dear White People chega à Netflix já esta quarta-feira. A última parte da série americana vai voltar a contar com dez episódios.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.