9/11: Um Dia na América
Foto: 9/11 memorial | 9/11 Memorial & Museum

‘9/11: Um Dia na América’ mostra testemunhos e imagens nunca vistas do ataque ao World Trade Center

9/11: Um Dia Na América, série documental sobre o ataque terrorista nas Torres Gémeas, estreia na próxima segunda-feira (30), no National Geographic Portugal. A série conta com testemunhos de sobreviventes e imagens nunca antes vistas do ataque sobre o World Trade Center.

Em entrevista à Lusa, Caroline Marsden, produtora da 72 Films, que produziu a série de seis episódios, explicou que houve um processo de selecionamento de imagens provenientes de um arquivo com quase “mil horas” de filme. “Encontrámos pessoas que tinham câmaras de vídeo e conseguimos imagens que foram digitalizadas pela primeira vez”.

Deste modo, a série documental é construída exclusivamente por imagens de arquivo e entrevistas com sobreviventes, polícias, bombeiros e outros profissionais que estiverem presentes e trabalharam durante o ataque terrorista, sem contar com as habituais narrações, opiniões ou análises de especialistas.

No episódio que abre a série, vemos a figura do português Carlos S. Costa, natural de Canhas de Senhorim, que trabalhava na Autoridade Portuária e que coordenou a retirada de 70 pessoas em conjunto com os colegas Frank De Martini, Pablo Ortiz e Peter Negron. No entanto, nenhum deles sobreviveu.

O trabalho de Marsden retrata a coragem e altruísmo de figuras como a de Carlos S. Costa, assim como a angústia de todos aqueles que estavam presentes no ground zero no 11 de setembro.

“Temos uma memória coletiva disto, como nação. Queríamos olhar para a resiliência humana, a fragilidade humana e tudo o que fica entre esses dois espaços”, explicou o produtor executivo T. J. Martin, numa mesa redonda sobre 9/11: Um Dia na América.

A “resiliência humana” de que T. J. Martin fala está bem presente nos relatos de Kathy Comerford, que trabalhava nas Torres e falou à Lusa.

“Quando isto aconteceu pensámos que era um transformador ConEd a rebentar”, disse Comerford, explicando porque é que as equipas de resgate achavam que a Torre Sul estava segura e pediu às trabalhadores para voltarem aos seus postos. No entanto, Comerford não voltou.

“Estava tudo em chamas lá fora e não sabíamos que vinha aí um avião. Nunca responsabilizei ninguém por nos mandarem voltar para cima (…) Não fazíamos ideia de que era terrorismo até chegar ao piso 44, quando o segundo avião embateu. Aí soubemos que estávamos sob ataque e não fora erro humano”, explicou à Lusa a sobrevivente do ataque terrorista que matou duas mil e seiscentas e seis pessoas.

No entanto, Comerford limpa o ar e esclarece que “algumas pessoas têm a ideia errada de que era uma confusão e desorganização, mas não foi assim”, explicando que “toda a gente estava a ajudar-se mutuamente”. “Quando estávamos presos nas escadas, era como se fizéssemos parte de uma equipa. Descemos quase em alcateia, os grupos gritavam palavras de apoio para cima e para baixo”.

9/11: Um Dia na América, uma produção da 72 Films em conjunto com o 9/11 Memorial & Museum, estreia às 22h10 desta segunda-feira no canal National Geographic Portugal.