mccartney
Rubin & McCartney | Fonte: Divulgação

‘McCartney 3,2,1’ é uma conversa intimista com um pano de fundo minimalista

A série documental sobre o icónico músico britânico foi realizada por Zachary Heinzerling. 

McCartney 3,2,1 é uma minissérie documental que estreou dia 25 de agosto na Disney+. Ao longo de seis episódios, o lendário Paul McCartney, um dos frontmen dos Beatles, embarca numa conversa intimista sobre a sua carreira com o produtor musical Rick Rubin, gravada para a posteridade e realizada por Zachary Heinzerling

McCartney 3,2,1 é praticamente narrado em primeira pessoa. Paul McCartney é acompanhado por Rick Rubin, um dos produtores musicais incontornáveis e anfitrião do podcast Broken Record with Rick Rubin, Malcolm Gladwell, Bruce Headlam and Justin Richmond, numa conversa de três horas (seis episódios de 30 minutos) sobre música, Beatles e várias histórias sobre as canções do quarteto, a sua carreira a solo e a sua banda pós-Beatles, a Paul McCartney & Wings. Ao longo dos episódios, Rick Rubin questiona e indaga sobre as várias fases da vida artística deste enorme ícone da música mundial.

Uma conversa intimista com um pano de fundo minimalista

Um pincel minimalista pinta os cenários de McCartney 3,2,1. A imagem é a preto e branco, talvez remontando à imagem clássica do início da carreira dos Beatles. A escolha estética é irrepreensível – é o fundo perfeito para esta conversa intimista e acolhedora, apenas interrompida por momentos com vídeos e imagens de arquivo. Os floreados já estão nas canções que vamos ouvindo e, na verdade, a imagem não é o mais importante. Apesar de ser algo a elogiar, de tão bela, a fotografia não é, aqui, o mais importante. Aquilo que se destaca é mesmo a conversa imperdível entre estes dois gigantes da música.

Rubin e McCartney começam a viagem no início dos anos 1960, voltando aos tempos de ascensão dos Beatles. Numa mesa de mistura, Rubin brinca com algumas das icónicas músicas do quarteto, isolando instrumentos e perguntando o método e a história por detrás das decisões artísticas da banda. Revisitamos as canções iniciais, o disco Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, as aventuras vividas em banda. O entusiasmo e à vontade de Rick Rubin é contagiante – o brilho nos olhos a ouvir, em primeira mão, estas histórias de um dos músicos mais prolíficos da sua geração é partilhado também por quem assiste. Paul McCartney é um contador de histórias excecional, e sua narração transporta-nos imediatamente para um passado que já é longínquo, mas que ele recorda como se tivesse sido ontem.

mccartney
Rubin & McCartney | Fonte: Divulgação

Paul McCartney trilha, ainda, o caminho que fez pós-Beatles: relembra sucessos da banda Wings, que criou com Linda McCartney, e os mais de 50 anos de carreira a solo. Aos quase 80 anos, o músico continua a compor e a lançar música. O mais recente disco, McCartney III Imaginedlançado em 2021, conta com participações de St. VincentPhoebe BridgersAnderson .Paak, Khruangbin e Blood Orange.

Em McCartney 3,2,1 vive, no fundo, uma belíssima lição sobre música pop e construção musical. É, também, um exercício de nostalgia – a emoção com que Paul McCartney relembra e narra os acontecimentos, tantos anos depois, só mostra o quão importantes e edificadores eles foram e o porquê de terem inspirado tantos artistas. Rick Rubin volta a mostrar a sua mestria enquanto produtor e melómano de serviço, tornando McCartney 3,2,1 ainda mais cativante.

Ler também: Charlie Watts (1941 – 2021). Aos 80 anos, soou a última batida