Tarcísio Meira, figura histórica da ficção brasileira, morre aos 85 anos

Tarcísio Meira, um dos nomes mais conhecidos e reconhecidos da ficção brasileira, faleceu esta quinta (12) aos 85 anos. O ator, que foi vítima de Covid-19, estava internado desde sexta (6) no hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo.

Eternizado como um dos maiores galãs da televisão brasileira, conquistou também o público português em telenovelas como Guerra dos Sexos, Fera Ferida, Torre de Babel, Beijo do Vampiro e A Favorita. Atualmente está no ar na SIC, como o Lorde Williamson de Orgulho & Paixão, emitida de segunda a sexta-feira às 18h40.

Esteve no ativo durante mais de 60 anos, tendo iniciado a carreira em 1957, como O Soldado Tanaka na peça A Hora Marcada. Foi também a fazer teatro que se estreou na televisão, com Noites Brancas, uma peça de teleteatro emitida pela TV Tupi, uma das primeiras estações de televisão brasileiras. Foi protagonista da primeira telenovela diária da televisão brasileira, 2-5499 Ocupado, emitida pela TV Excelsior em 1963.

Trabalhou ininterruptamente na Rede Globo desde 1967, embora o canal tenha rescindido o contrato de exclusividade que tinha com ele e a esposa, Glória Menezes, no fim de 2020, o que levou à aposentação dos dois. Formavam, em conjunto, um dos casais mais emblemáticos do panorama artístico brasileiro. A também atriz, com 86 anos, também foi internada com Covid-19, mas tem estado a recuperar bem, embora ainda a receber oxigénio por via nasal.

Tarcísio Meira e Glória Menezes afirmaram-se como um dos casais emblemáticos da televisão desde 'Irmãos Coragem' (1970)
Tarcísio Meira e Glória Menezes afirmaram-se como um dos casais emblemáticos da televisão desde ‘Irmãos Coragem’ (1970) (Fotografia: Rede Globo / Divulgação)

Tarcísio Meira teve, além da Covid-19, problemas renais, o que obrigaram a que, além de ter sido intubado, estivesse a receber hemodiálise contínua. Nos últimos dias, a equipa médica acreditava numa recuperação, mas os vários problemas relacionados com a doença acabaram por se agravar nas últimas horas.

Este ano, o ator foi nomeado para o Prémio Bibi Ferreira de Melhor Ator em Peça de Teatro, pelo desempenho na peça O Camareiro, que levou à cena entre 2019 e 2020. Em entrevista à revista VEJA, referia a preocupação com a finitude da vida, que partilhava com a personagem. “Ninguém gosta de pensar que o fim está chegando. Mas ele está chegando para mim. A esta altura da vida, muitos colegas da minha idade se foram. Daqui a pouco, vou eu. Talvez eu deixe um vazio nas pessoas“, afirmava.

O ator Rodrigo Lombardi, em reação à perda do colega, afirma que “o Brasil perdeu o seu maior símbolo da dramaturgia. Um homem do teatro, cinema e televisão que, por onde passou deixou toda sua marca. Só ele sabia fazer o que ele fazia. Tarcísio conseguiu a eternidade, não porque se foi, mas porque sempre nos lembraremos dele. Tarcísio, como poucos, estará pra sempre na história desse país“.

Glória e Tarcísio estavam vacinados

Os dois atores receberam, em março, a segunda dose da vacina contra a Covid-19. É importante referir que nenhuma vacina oferece proteção a 100% contra qualquer doença, mas todas reduzem o risco de infeção, hospitalização e morte, principalmente depois da segunda dose.

As vacinas funciona, mas não são infalíveis. A probabilidade de infeção é menor depois da vacina, no entanto, quanto mais a doença estiver a circular, maior é o risco de falha. É por isso necessário o maior número de pessoas possível, reduzindo assim as probabilidades de infeção e contágio.

Lê também: Lourenço Ortigão está na SIC. Onde para a “geração Morangos”?