Jéssica Athayde encarna Tatão no remake de "O Pai Tirano". Foto: Igor Regalla

Nova versão de ‘O Pai Tirano’ estreia na SIC e no cinema

Novo projeto do canal privado quer reinventar comédia clássica do cinema português

Os cinemas portugueses vão receber mais um remake da época de ouro do cinema nacional. Terminaram as gravações de O Pai Tirano, uma produção da SIC em parceria com a produtora Sky Dreams Entertainment. O filme tem estreia marcada nos cinemas até ao final do ano e será exibido na televisão, em formato de minissérie, no começo de 2022.

O filme marca a estreia de Jéssica Athayde no cinema, após vários papéis em televisão. É também o primeiro trabalho do realizador João Gomes no grande ecrã, depois de realizar alguns episódios das novelas Quer o Destino, Valor da Vida e Prisioneira, da TVI. A produção conta com um elenco de luxo, com Miguel Raposo, José Raposo, Diogo Amaral, Rita Blanco, Marcantónio Del Carlo e Mafalda Vilhena a marcar presença na adaptação da comédia clássica de 1941. 

O Pai Tirano conta a história da paixão de Chico Mega (Miguel Raposo), empregado de sapataria nos antigos Armazéns do Grandela, por Tatão (Jéssica Athayde), empregada da Perfumaria da Moda e imersa num triângulo amoroso com o boémio Artur. Como Tatão é uma cinéfila de gema, Chico esconde-lhe que é ator num grupo de teatro amador, os “Grandelinhas”. Até que o grupo decide levar à cena a peça O Pai Tirano ou o Último dos Almeidas e troca as voltas ao casal.

O novo elenco de O Pai Tirano terá de calçar os sapatos dos ícones Vasco Santana, Ribeirinho, Leonor Maia, Arthur Duarte e uma jovem Laura Alves, protagonistas do original de 1941. O filme é uma das comédias mais populares da época de ouro do cinema português que, nas décadas de 30 e 40, deixou o país colado ao ecrã. Filmes como o O Pátio das Cantigas (1942), A Canção de Lisboa (1933) e Costa do Castelo (1943) tornaram-se clássicos instantâneos.

Remakes têm sido sucesso de bilheteira

Remakes como este já provaram ser um sucesso de bilheteira junto do público português, com a adaptação de O Pátio das Cantigas (2015), de Leonel Vieira, a tornar-se rapidamente o filme português mais visto de sempre, apesar da má receção da crítica. O Pai Tirano vem fechar a quadra, após os remakes de O Leão da Estrela (2015) e de A Canção de Lisboa (2016). Embora se trate de uma proposta distinta, com outro realizador e o selo de aprovação da SIC

Jéssica Athayde já reagiu ao fim das filmagens na sua página de Instagram, onde surge caracterizada ao lado do coprotagonista, Miguel Raposo. “Foi um privilégio ter a minha primeira experiência em cinema com uma equipa tão feliz e tão preocupada com cada detalhe”, escreveu. A atriz congratulou ainda o realizador, João Gomes, pelo trabalho no filme, e os companheiros de cena José e Miguel Raposo (pai e filho).

Com um ritmo frenético e um humor tipicamente português, o filme original de António Lopes Ribeiro satiriza a pequena burguesia lisboeta, com o estilo de representação exagerado do teatro de Revista. A adaptação moderna do filme é da autoria da argumentista Patrícia Müller e promete manter o espírito cómico do original, com algumas modificações, avança o Fantastic TV. A nova produção teve o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual.