João Carvalho, responsável pela Ritmos, empresa que organiza os festivais Vodafone Paredes de Coura e NOS Primavera Sound (em parceria). Fotografia: Divulgação

Paredes de Coura: Diretor quer festival com mais dias

Quero fazer uma edição histórica”. É assim que João Carvalho, diretor do Festival de Paredes de Coura, descreve a próxima edição do evento em entrevista à Blitz. Depois de dois anos sem concertos na Praia Fluvial do Taboão, devido à pandemia de covid-19, o diretor do festival minhoto expressa o desejo de estender a duração do mesmo.

Se calhar o bom senso dizia-me que temos de fazer uma edição tranquila, depois de dois anos a perder dinheiro, mas vamos investir ainda mais do que tínhamos previsto“, disse João Carvalho no podcast da Blitz, Posto Emissor. “As pessoas estão ansiosas por regressar a casa. Quero fazer uma edição histórica”.

O promotor continua, afirmando que o “bom senso” dizia-lhe para “fazer uma edição mais tranquila depois de dois anos a perder dinheiro, mas vamos investir ainda mais do que tínhamos previsto há dois anos“. Sendo assim, João Carvalho insistiu que a próxima vez que os concertos voltarem ao Festival de Paredes de Coura será numa “edição histórica“.

As pessoas estão ansiosas por regressar a casa. Estamos constantemente a cuidar do espaço, da relva. Vamos fazer pequenas alterações também no campismo. Pequenos apontamentos para melhorar a comodidade das pessoas”.

No entanto, João Carvalho não deixa de ser realista, admitindo que o regresso da música ao vivo como sempre a conhecemos só regressará “no primeiro trimestre de 2022“.

Embora não tenha havido festival este ano, em Paredes de Coura, a música fez-se ouvir em território courense. Após um ano de interregno, também por causa da pandemia, a Escola de Rock de Paredes de Coura, em atividade desde 1993, marcou o seu regresso em 2021.

A edição de 2021 agregou 3o jovens e duas bandas residentes, com idades entre os 13 e os 20 anos, durante cinco dias, de vários pontos do país e também da Galiza. A atividade realiza-se na Caixa da Música, em Paredes de Coura, local onde durante cinco dias se escutam desde violinos a baterias, desde guitarras a teclas.