é urgente o amor
Fotografia: Divulgação / Facebook Catarina Furtado

‘É Urgente o Amor’. Catarina Furtado prova que “o amor não está morto”

Sábado “é o dia de verbalizar o amor” com o novo programa de Catarina Furtado. É Urgente o Amor estreou este sábado (17) na RTP1.

É Urgente o Amor explora todas as formas e feitios que o amor pode assumir, desde a relação entre filhos e pais adotivos, a casamentos duradouros e amizades verdadeiras. O programa dá a conhecer histórias que, apesar de comuns, passam despercebidas no nosso dia-a-dia. Tomamo-las tanto por garantidas que por vezes podemos não as valorizar da maneira que devíamos. Ora, é isso que este programa pretende inverter: fazer com que os espectadores valorizem o amor que, em tempos de pandemia, é especialmente fundamental.

O amor não está morto, lê-se nas paredes do Miradouro de Monsanto, local de uma das surpresas do programa de estreia.

Conhecemos estas histórias enquanto filhos, amigos, companheiros e figuras de apoio preparam homenagens aos seus entes mais queridos. A criatividade das surpresas preparadas para os protagonistas do programa é fundamental para apelar, não só às emoções dos visados, mas também para prender o espectador ao ecrã, ansioso por saber o que vai ser feito a seguir. Nesta estreia, houve uma atuação musical de Diana Castro, antiga concorrente do The Voice, no Museu da Água, e uma viagem turística por Lisboa, entre outras surpresas.

Catarina Furtado
Catarina Furtado / Fotografia: RTP

A escolha de Catarina Furtado como apresentadora do formato revela-se muito inteligente. Como o programa vive muito da relação entre a apresentadora e os protagonistas, ele definitivamente não teria o mesmo impacto e não cativaria da mesma maneira se não tivesse uma mulher empática, educada e carinhosa – e uma excelente apresentadora – a relacionar-se com as pessoas cujas histórias nos dá a conhecer. Já está mais do que provada a capacidade de Catarina Furtado – quase única na televisão nacional – de criar uma relação com as pessoas, e com o público, que é genuína e real. O programa requer alguém autêntico, e é com isso que podemos contar com Catarina Furtado.

Uma das histórias mais cativantes da noite de estreia foi a de Aurora e João, casados há mais de 50 anos e que renovaram os votos de casamento no programa. Mas este esteve longe de ser o único caso inspirador. Natasha fugiu da guerra na Sérvia com as duas filhas gémeas, e é uma delas que agora lhe prepara uma homenagem – que incluiu o próprio marido de Catarina Furtado, João Reis, a declamar o poema favorito de Natasha.

É Urgente o Amor
Sam The Kid abraça António, na homenagem ao dançarino de Capoeira / Fotografia: RTP

Mas Diana Castro e João Reis não foram as únicas personalidades conhecidas a aparecer no programa. Também o rapper Sam The Kid marcou presença para homenagear o seu amigo António. O fundador do Grupo de Capoeira Beija Flor sofreu muito em jovem com a surdez e com a incompreensão da família, que o tirou da escola aos 14 anos. Esta homenagem ternurenta foi organizada pelo filho e pela esposa de António e realizou-se em Belém e em Chelas, onde António cresceu. Durante a homenagem, Matay subiu a palco com um grupo de gospel para cantar o tema ‘Stand By Me’.

Ao longo do programa, a apresentadora surge sempre sem máscara a falar com as pessoas, mesmo com as que foram surpreendidas e não sabiam que iriam ser homenageadas e aparecer na televisão. Partindo do princípio de que foram cumpridas todas as medidas de segurança, damos por nós – o que é positivo – a esquecermo-nos de que este programa já é gravado em pandemia.

É urgente o amor
Homenagem de um filho para o pai adotivo / Fotografia: Holofote

No geral, É Urgente o Amor é uma boa aposta por parte da RTP, tanto no conteúdo do programa – que é sempre comovente e bonito de ver – como na escolha da apresentadora, passando pelo timing em que foi feito e posto no ar. Estamos há mais de um ano em pandemia, obrigados a estar longe de namorados/as, amigos/as e familiares. Este é um desafio que nunca poderíamos imaginar que nos fosse imposto e o programa relembra-nos, justamente, que “o amor não está morto”.

Ainda que estejamos mais afastados, pela saúde de todos, o amor nunca se suspende. E é importante também não nos esquecermos de que os laços que nos prendem às pessoas de que mais gostamos – e que gostam de nós – valem sempre a pena serem preservados.