Equipa da TVI reunida no lançamento de 'Todos Juntos' como novo hino do canal
Fotografia: TVI

“Todos juntos numa só canção”. Hino da TVI usado na banda sonora do ‘Agricultor’

Tema tocado no programa da SIC foi criado com base numa ideia de Cristina Ferreira

A canção ‘Todos Juntos‘, lançada por Nuno Ribeiro a 29 de setembro de 2020, foi utilizada na banda sonora da edição deste domingo (13) do programa Quem Quer Namorar com o Agricultor?. A escolha musical poderia ter passado despercebida, se não se tratasse do hino da estação concorrente.

Por volta das 23h37, quando a agricultora Ana Palma decide que o concorrente Ricardo Santos, de 30 anos, continua em jogo na experiência social da SIC, entra no ar o tema composto e interpretado pelo cantor português e que serviu de emblema ao início da era Cristina na Quatro.

O tema, estreado na segunda edição do programa Dia de Cristina, foi anunciado pelo canal de Queluz como uma canção sobre o futuro da estação. “Hoje a vontade ainda é maior, juntos fazemos mais e melhor” são duas das estrofes da canção, que teve direito a um videoclip protagonizado pelas estrelas da TVI.

Canção criada com base numa ideia de Cristina Ferreira

Na altura do lançamento, Nuno Ribeiro confessou que criou a canção em 48 horas depois de lhe ter sido pedido, pela própria diretora da TVI, que a produzisse. “A Cristina ligou-me e disse ‘Olá, sou a Cristina Ferreira e preciso de um hino para daqui a dois dias’. E eu ‘como assim?’. Ela depois começou a dar as palavras de futuro, de união, e surgiu-me quase logo a ideia do refrão (…) comecei a fazer e fiz em 48 horas – produzi e gravei“, contou ao apresentador Manuel Luís Goucha em outubro.

Quem Quer Namorar com o Agricultor?, cuja quarta temporada estreou em maio, tem sido uma das armas da SIC para vencer a concorrência, contando com uma edição semanal ao domingo e programas diários de segunda a sexta-feira, que têm assegurado o primeiro lugar das audiências.

Lê também: Programa Cautelar. RTP cumpre função de “introduzir novos conteúdos a todos os públicos”