Rita Ferro Rodrigues
Fotografia: Rita Ferro Rodrigues/Instagram

Rita Ferro Rodrigues regressa à apresentação com programa de entrevistas no Canal 11

Rita Ferro Rodrigues está de regresso à apresentação. A apresentadora vai conduzir Máquina do Tempo, um novo programa de entrevistas no Canal 11.

A trabalhar no canal da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) desde 2019 como coordenadora de programas, Rita Ferro Rodrigues voltou ao formato que a tornou tão conhecida dos portugueses após um convite “irrecusável”, que a apresentadora e jornalista aceitou, voltando assim ao pequeno ecrã.

Máquina do Tempo é o novo programa de entrevistas do canal, onde a apresentadora irá entrevistar 12 atletas que vão representar Portugal nos Jogos Olímpicos de Tóquio deste ano. O novo programa da grelha do Canal 11 foi para o ar pela primeira vez esta sexta-feira (11) e o primeiro convidado, foi o atleta Francisco Belo que irá representar Portugal no lançamento do peso.

Na passada quarta-feira (9), a apresentadora mostrou-se entusiasmada com o novo projeto na sua página do Instagram. “Sinto-me em casa e vou conduzir um programa de entrevistas – que é sem dúvida o que mais gosto de fazer na vida – num canal que é muito mais do que um canal de futebol e que procura dar visibilidade a outras modalidades e seus atletas. Por isso a primeira série da ‘Máquina do Tempo’ será dedicada a 12 olímpicos que vão representar Portugal nos Jogos de Tóquio. Alguns deles estão a dar a primeira entrevista das suas vidas, outros já são atletas bem conhecidos dos portugueses mas que tentaremos dar a conhecer de outros ângulos, através de fotografias, filmes e objetos“, explicou.

Rita Ferro Rodrigues estrou-se em televisão aos 16 anos na RTP2, onde apresentava o telejornal para crianças Caderno Diário. Passou ainda pela RTP1, mas foi na SIC onde permaneceu grande parte da sua carreira. Na estação de Paço de Arcos, a apresentadora passou pela generalista, pela SIC Notícias e pela SIC Mulher.

Mais Artigos
rumos-do-jornalismo-cultural-12-750x400
António Luís Marinho: o serviço público “é absolutamente vital para uma sociedade democrática”