Hell's Kitchen
Fotografia: SIC/Divulgação

Francisca Dias é a vencedora da primeira edição do ‘Hell’s Kitchen’

Francisca Dias é a vencedora da primeira edição do Hell’s Kitchen. A cozinheira, de 29 anos, competiu na final com Lucas Fernandes e acabou por ficar em primeiro lugar na competição infernal de Ljubomir Stanisic, cuja final foi para o ar este domingo (6) na SIC.

A participante, natural de Mação, teve o seu serviço elogiado pelo chef nas considerações finais, onde revelou ter sido “muito difícil” escolher o vencedor. “O serviço da Francisca estava organizado, mas a equipa do Lucas começou a atrasar-se”, explicou Ljubomir Stanisic, revelando a vitória de Francisca.

À SIC, a cozinheira diz ter ficado “incrédula” com a vitória, naquele que foi um grande momento de felicidade”. Como prémio, Francisca recebeu, além de um automóvel, um lugar para trabalhar no restaurante 100 Maneiras, de Ljubomir, onde está a chefiar a cozinha.

Lê também: ‘Hell’s Kitchen’. Vem aí uma segunda temporada do programa

O trabalho começou em abril e Francisca revela que está a ser uma boa experiência: “tenho aprendido imensas coisas, principalmente “jugoslava”, dos Balcãs. Estar ali um bocadinho naquele mundo que não conhecia e que tenho muita curiosidade”, explica em entrevista à estação.

Hell's Kitchen
Fotografia: SIC/Divulgação

Uma reviravolta na vida da cozinheira

A prestação de Francisca Dias foi largamente elogiada pelo chef ao longo de toda a edição. Pela capacidade de elaborar pratos distintos com rapidez, foi apelidada por Stanisic como “Obikwelu”, em alusão ao atleta português. “A cozinha era realmente muito grande e uma coisa que normalmente faço sempre num passo, ali fazia em cinco, e com o meu metro e meio torna-se complicado e daí estar a correr“, contou Francisca.

A paixão pela cozinha começou cedo. Aos oito anos já dava as primeiras voltas no fogão, mas foi aos 12 que começou a fazer os primeiros cozinhados para a família. O percurso foi natural e, anos depois, licencia-se em Produção Alimentar em Restauração, na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril.

Depois de passar por vários restaurantes, integra a equipa do Feitoria, restaurante em Lisboa com uma estrela Michelin. Devido aos cortes da pandemia, acabou por não ter o seu contrato renovado e ficou desempregada. A esposa, Tânia Semedo, decide inscrevê-la de surpresa no Hell’s Kitchen, onde depois acaba por ser selecionada.

Além do lugar no restaurante de Ljubomir Stanisic, a experiência no programa abriu outras portas a Francisca Dias. A cozinheira revela que a visibilidade é maior e que lhe pedem algumas das suas receitas. Com a mulher, com quem casou em outubro, criou um novo projeto – o Cisca Massala. Este negócio de conservas, temperos e molhos caseiros surgiu numa noite de insónias de ambas, depois da insistência de Tânia para Francisca vender os seus temperos. “Cisca é como a Tânia me trata e Massala é uma mistura de especiarias da India, ou seja, são as misturas da Cisca”, explica à SIC sobre a origem do nome do negócio, que está em expansão e a ter sucesso crescente.

Mais Artigos
THE CONJURING: THE DEVIL MADE ME DO IT
‘The Conjuring – A Obra do Diabo’ volta a liderar o box-office português