NOS Audiovisuais filmes portugueses cinema
Fotografia: Erik Witsoe/Unsplash

Filmes a ter em atenção até ao fim de 2021

Artigo patrocinado

Tanto para os fanáticos como para os entusiastas casuais, ir ao cinema representa uma mistura de conforto e excitação. Com o isolamento causado pela pandemia, isso tornou-se uma relíquia dos dias passados. 2020 foi um ano infeliz tanto para o público, que não pode ir aos cinemas devido à pandemia, como para os produtores de cinema, que viram inúmeros dos seus projetos ter de ser suspensos a meio da produção. Poucos filmes de realizadores de alto nível foram lançados, e aqueles que foram, não tiveram muito sucesso e foram falhanços de bilheteira por razões óbvias.

Mas, neste verão, com o processo de vacinação a decorrer a bom ritmo e o mundo a fazer a sua recuperação, o futuro próximo está a tornar-se muito excitante para a sétima arte (desde que nenhum outro desastre secundário ataque e que as datas de lançamento permaneçam as mesmas).

Em 2021, o público vai poder voltar a ver os seus artistas favoritos novamente no grande ecrã, mas não só. Com o crescimento das plataformas de streaming a facilitar o lançamento de filmes que estavam em standby desde o início da pandemia. Quem diria que grandes filmes como Black Widow seriam lançados nos serviços de streaming e nos cinemas ao mesmo tempo. Mas enquanto a bilheteira de 2021 será provavelmente muito inferior aos números que se atingiam na era pré-COVID-19, só o facto de termos novos lançamentos parece uma vitória em comparação com a escassez do verão passado. A maioria destes filmes foi filmado pré-COVID e estão em espera há meses; alguns estarão disponíveis para assistir a partir da tua sala de estar, enquanto outros exigirão que te desloques a uma sala de cinema pela primeira vez em mais de um ano.

Eis alguns dos filmes mais esperados de 2021.

F9: Justin Lin, 24 de junho

Chega aos cinemas em junho deste ano. A nona edição de Fast and Furious eleva ainda mais o nível de ação e ficção dos filmes da franquia, como já vem sendo hábito. Com as aparições já confirmadas de um “híbrido de carro-foguetão” e um “avião íman” (ideia do filho de 9 anos do realizador), o filme segue Dominic Toretto e a sua “família” enquanto lutam contra o seu, recentemente revelado, irmão mais novo — um assassino mortal e condutor de alto desempenho, interpretado pela estrela de wrestling John Cena. Cena é a quarta figura da WWE a aparecer na franquia, depois do papel de The Rock e
das aparições curtas de Ronda Rousey e Roman Reigns.

Se na escassez de filmes do último ano sentiste falta de explosões de grande orçamento e perseguições de carros, então o nono filme da franquia deve satisfazer essa necessidade de filmes com ação intensa. Embora a série sempre tenha reforçado a ideia de “família”, este filme, que traz de volta a maioria dos habituais esperados, incluindo o próprio realizador Justin Lin, planeia expandir ainda mais essa noção, com o previsto nascimento do filho de Dom (Vin Diesel) e Letty (Michelle Rodriguez), e a nova ameaça do irmão de Dom, indicam. Contudo, a família não é a única coisa a ficar maior, já que a intensidade e o nível de ação que F9 promete, parece pronto a superar tudo o que já vimos anteriormente.

Benedetta: Paul Verhoeven, 9 de julho

Benedetta é um filme biográfico francês e holandês dirigido e co-escrito por Paul Verhoeven, protagonizado por Virginie Efira como Benedetta Carlini, uma freira noviça do século XVII em Itália que sofre de visões religiosas e eróticas perturbadoras. Ela é ajudada por uma companheira, e a relação entre as duas mulheres torna-se num caso romântico.

Embora optemos por realçar Benedetta, com tantas outras histórias como PassingMa Belle, My Beauty, Matcha e Vanilla, One Four Three, entre outras, a chegar ao cinema, podemos considerar que vamos ter um ano positivo na representação lésbica
e bissexual no ecrã.

Com a aceitação crescente da comunidade LGBTQ+ pela sociedade, é cada vez mais comum encontrar este tipo de relacionamentos e encontros entre pessoas do mesmo sexo, neste caso mulheres, essa evolução também começou a notar-se no ecrã, onde antes a representação queer era escassa.

Black Widow: Cate Shortland, 9 de julho

Após um ano de atraso, Black Widow está finalmente pronto para chegar ao grande ecrã e ao Disney+. A sinopse apresenta o regresso de Scarlett Johansson ao papel de Natasha Romanoff e explora o passado negro da personagem, ao mesmo tempo que promete fornecer uma nova visão sobre o que aconteceu em Avengers: Endgame, difícil de aceitar para muitos fãs dá franquia. Para esses, a Marvel tem preparado um mimo, com a já confirmada aparição de Robert Downey Jr. no seu papel de Iron Man neste filme a solo da Black Widow.

Entrando em mais detalhes, antes de se tornar no Avenger que hoje conhecemos, o trabalho de Natasha Romanoff como espiã russa colocou-a em vários problemas com pessoas perigosas. Florence Pugh, Rachel Weisz e David Harbour interpretarão a “família” mais próxima do passado da super-heróina.

Depois de Endgame ter encerrado a fase três, este será o primeiro passo da fase quatro do Universo Cinematográfico da Marvel. O filme será lançado nos cinemas e no Disney+ Premier Access por aproximadamente 25 euros.

Candyman: Jordan Peele, 27 de agosto

Candyman é um filme de terror imperdível para este verão. Inspirando-se no filme original de 1992, retrata a obsessão de um artista de Chicago com um assassino fantasma. A obsessão do artista leva-o por um caminho perigoso e para um conflito com o infame Candyman. O filme é protagonizado por Yahya Abdul Mateen II, Teyonah Paris e Colman Domingo.

Poucos realizadores têm mantido o público interessado no seu trabalho nos últimos anos como Jordan Peele. Depois de ter lançado Get Out e Us, regressa como produtor e coescritor da sequela do clássico Candyman de 1992, que retratava o assassino na cidade de Chicago da altura. Esta sequela ocorre nos dias de hoje, depois da construção de condomínios durante a gentrificação. Quando um artista que foi aterrorizado pelo Candyman enquanto criança (Yahya Abdul-Mateen II) se muda, descobre que a presença do assassino ainda perdura.

House of Gucci: Ridley Scott, 24 de novembro

À primeira vista, a Gucci é apenas uma marca de moda de luxo, mas por de trás dos catálogos de produtos sobrevalorizados, está um conto de assassinato e mistério à espera de ser desvendado. O casamento turbulento e o divórcio de Patrizia e Maurizio Gucci, o chefe da Gucci e neto do fundador, é um dos dramas mais curiosos da sociedade moderna. A cantora pop Lady Gaga vai interpretar Patrizia Reggiani, a mulher que contratou um assassino para matar o marido, e o filme vai focar-se no evento e nas suas consequências.

O realizador Ridley Scott é mais conhecido pelos seus filmes de ficção científica como Alien ou The Martian, mas os dramas criminais também não lhe são estranhos, como no caso de American Gangster.

A lista não termina…

A lista acima indicou alguns dos melhores filmes, vindos dos melhores realizadores, que as pessoas devem manter debaixo de olho. A lista é abrangente e engloba uma vasta gama de géneros, estilos e públicos-alvo. No entanto, estas não são as únicas
grandes estreias deste ano; um artigo mais longo poderia também ter incluído Army of the Dead, Those Who Wish Me Dead, Cruella, The Conjuring: The Devil Made Me Do It, In the Heights, The Hitman’s Wife’s Bodyguard, Space Jam: A New Legacy, Hotel Transylvania, The Green Knight, The Suicide Squad, The Beatles: Get Back, Reminiscence, Respect, Free Guy e Fatherhood.

Mais Artigos
Manu Ríos dá vida a uma das novas personagens de Élite
Elite. Manu Ríos sobre personagem: “Eu também sei muito bem o que quero”