Eurovisão 2020 - Itália
Fotografia: EBU / Andres Putting

“Assunto encerrado”. Eurovisão conclui que não houve uso de drogas pelos Måneskin

“Não houve uso de drogas na Green Room e consideramos o assunto encerrado”. Em comunicado, a União Europeia de Radiodifusão (EBU) desmentiu o uso de drogas na final do Festival Eurovisão da Canção por parte do vocalista dos Måneskin.

Após ter terminado a edição de 2021 da maior competição de música do mundo, os vencedores eram já notícia por razões alheias ao triunfo em Roterdão. Num vídeo rapidamente partilhado nas redes sociais, Damiano David, que dá voz ao tema vencedor, surge inclinado para cima da mesa da Green Room, num movimento que vários internautas associaram à inalação de drogas. A banda foi rápida a desmentir as alegações e a entidade máxima do Festival veio agora categoricamente clarificá-las.

“Seguindo as alegações de uso de drogas na Green Room da Grande Final do Festival Eurovisão da Canção no sábado, 22 de maio, a União Europeia de Radiodifusão, conforme solicitado pela delegação italiana, realizou uma revisão completa dos factos, incluindo a verificação de todas as imagens disponíveis”, começou por explicar a EBU. “Um teste de drogas foi também voluntariamente realizado hoje [24] cedo pelo vocalista da banda Måneskin”, que acabaria num “resultado negativo visto pela EBU”.

A organização vai mais longe e afirma sentir-se alarmada com “especulações imprecisas” que se traduzem em “notícias falsas que ofuscam o espírito e resultado do evento e afetam injustamente a banda”. Finalmente, a Eurovisão congratula mais uma vez os vencedores, a quem deseja um “enorme sucesso”, garantindo ainda estar “ansiosa para trabalhar com o membro italiano Rai na produção de um espetacular Festival Eurovisão da Canção em Itália no próximo ano”.

“Somos contra as drogas”

A dúvida sobre um alegado consumo de drogas em direto para milhões de espectadores surgiu na própria noite da vitória italiana nos Países Baixos. Na conferência de imprensa após a final, o vocalista foi questionado acerca deste tema, respondendo que “o Thomas [guitarrista] partiu um copo, eu não uso drogas, por favor pessoal, não digam isso”. A fotografia do copo partido circulou mais tarde nas redes sociais, com a própria EBU a confirmar que após a final o tinha encontrado na zona onde os representantes italianos se encontravam.

Ainda assim, o tema escalou e levou a banda a voltar a defender-se nas redes sociais. “Estamos verdadeiramente chocados com o que algumas pessoas estão a dizer sobre o Damiano consumir drogas. Nós somos CONTRA as drogas e nunca consumimos cocaína. Nós estamos prontos para ser testados, porque não temos nada a esconder. Nós estamos aqui para tocar a nossa música e estamos tão felizes com a nossa vitória na Eurovisão, e queremos agradecer a todos por nos apoiarem”, escreveram os músicos nas stories do Instagram, ferramente que dura 24h.

Os Måneskin representam a terceira vitória italiana na Eurovisão e a primeira em 31 anos. Venceram em Roterdão com 524 pontos, apenas mais 25 que a canção francesa. Portugal ficou em 12º lugar, depois de ter alcançado o 4.º lugar na segunda semifinal.

Mais Artigos
Inês Lopes Gonçalves RTP
Inês Lopes Gonçalves junta-se à equipa da Renascença