Islândia na Eurovisão 2021
Fotografia: EBU / Thomas Hanses

Eurovisão 2021. Islândia não atua ao vivo na segunda semifinal após caso positivo de Covid-19

Um dos elementos da banda Daði og Gagnamagnið, que representa a Islândia na edição deste ano do Festival Eurovisão da Canção, testou positivo à Covid-19. O país não voltará a subir ao palco da competição para atuar na segunda semifinal.

A União Europeia de Radiodifusão (EBU) confirmou esta quarta (19) a informação já avançada pela emissora islandesa RÚV, que dava conta de um novo caso positivo na sua delegação, que já se havia ausentado da cerimónia de abertura. Desta vez, trata-se do músico Jóhann Sigurður, e não de um membro externo da delegação.

“Em estreita colaboração com a EBU e a emissora anfitriã, os Daði og Gagnamagnið tomaram a difícil decisão de desistir de atuar ao vivo nas galas do Festival Eurovisão da Canção deste ano, já que eles só se querem apresentar juntos como um grupo”, explica a EBU em comunicado. A restante delegação testou negativo ao vírus.

No entanto, a canção ’10 Years’ continuará a competir pela Islândia na segunda semifinal, ainda que não ao vivo. A solução encontrada pelo país é participar, no palco de Roterdão, com a atuação gravada relativa ao segundo ensaio, realizado no dia 13 de maio. Este será usado, tanto para o jury show desta noite (19, onde os jurados de cada país votam), como na emissão em direto desta quinta (20).

“Temos sido extremamente cuidadosos durante toda a viagem, pelo que isto surge como uma grande surpresa. Estamos muito felizes com a performance e muito animados para que todos a vejam! Obrigado por todo o amor”, escreveu o vocalista nas redes sociais. Já Jóhann Sigurður partilhou um vídeo onde garante sentir-se “saudável”, mas que a situação é “difícil, porque trabalhamos muito”. Bastante emocionado, o músico afirma ainda sentir-se “orgulhoso” com o ensaio, que espera que agrade ao público e aos islandeses.

Desvantagem competitiva?

A Islândia é, segundo as casas de apostas, um dos cinco países favoritos à vitória da Eurovisão e, no que diz respeito à segunda semifinal, apresenta probabilidades de 93% de qualificação para Grande Final.

Com uma atuação sem público, o país espera não se ressentir e sair prejudicado relativamente aos concorrentes. Na primeira semifinal, a Austrália também marcou pela diferença, ao atuar diretamente do seu país, acabando por não se qualificar. Apesar das poucas probabilidades de qualificação, a prestação da Austrália foi, para muitos dos fãs do formato, desvantajosa em relação às restantes.

Para a segunda semifinal competem 17 países, entre os quais Portugal. Os The Black Mamba procuram alcançar um lugar na grande final e, segundo as casas de apostas, têm 72% de probabilidades a seu favor para o fazer. O podcast EFVisão, na análise à primeira eliminatória, antecipou ainda a segunda gala e as chances de Portugal.

Ouve de seguida o episódio especial conduzido por João Malheiro, com comentários de Carolina Correia, Paulo Barros, Pedro Miguel Coelho e Ricardo Rodrigues:

Mais Artigos
Fernando Medina vai ao Telejornal
Fernando Medina responde na RTP sobre dados enviados à Rússia