Sede da Agência Lusa | Fotografia: D.R.

Editor de Política da Lusa demite-se após notícia que identifica deputada do PS com expressão racista

O editor da secção de Política da Agência Lusa, José Pedro Santos, demitiu-se esta sexta-feira (14) do cargo na sequência da notícia que caracterizou de modo racista a deputada do Partido Socialista (PS) Romualda Fernandes.

A demissão foi entregue e aceite pela Direção de Informação da Agência Lusa. Numa nota publicada pela própria agência noticiosa, na noite de quinta-feira (13), esta repudiou publicamente o sucedido: “A Direção de Informação da Lusa lamenta profundamente o erro de uma notícia transmitida pela agência sobre a constituição da comissão da revisão constitucional em que uma deputada do Partido Socialista surge identificada de modo inaceitável, contra todas as regras éticas e profissionais constantes do Código Deontológico dos Jornalistas e do Livro de Estilo da Lusa”. Na mesma nota, a Agência Lusa afirma que se compromete a investigar o sucedido.

No dia seguinte em que esta nota foi publicada, esta sexta, a Direção de Informação enviou uma missiva a vários órgãos de comunicação social, incluindo o jornal Público e O Jornal Económico. “Na sequência da notícia transmitida ontem na linha da Lusa, identificando de modo inaceitável uma deputada do Partido Socialista, a Direção de Informação comunica que o editor de Política, José Pedro Santos, pediu a demissão do cargo, que foi aceite”.

“Ninguém pode condenar ou lamentar a situação mais do que eu”

JoacineKatarMoreira on Twitter: "Um jornalista que coloca “Preta” à frente do nome de uma pessoa como Romualda Fernandes revolta-me, não pelas competências da deputada, mas porque nenhuma mulher negra pode admitir este
Romualda Fernandes com a deputada não-inscrita Joacine Katar Moreira | Fotografia:  Twitter

Para além da demissão de José Pedro Santos, a mesma missiva informa que o jornalista responsável pelo take noticioso em questão vai ser investigado. “A Direção de Informação da Lusa comunica ainda que tendo em vista o dano moral e reputacional provocado na imagem da agência, instaurou um processo de averiguações ao jornalista Hugo Godinho, a fim de apurar as circunstâncias em que a notícia foi elaborada”.

Hugo Godinho foi o autor da notícia da Lusa, publicada na íntegra por vários órgãos de comunicação social online. A versão original da notícia, antes da sua correção, incluía uma expressão racista entre parênteses junto ao nome da deputada. A peça pretendia enumerar os deputados suplementes da comissão de revisão constitucional.

Em declarações ao jornal Público, Hugo Godinho lamentou o sucedido. “Ninguém pode condenar ou lamentar a situação mais do que eu. Ontem mesmo, assim que tive conhecimento da alarvidade que tinha sido publicada, obviamente por acidente, negligência (que assumo inteiramente), pedi desculpa formal tanto à senhora deputada, como à líder parlamentar do PS. Cá estarei, como sempre, para assumir responsabilidades e prestar esclarecimentos nos locais próprios”.

PS repudia atitude “inqualificável” da Agência Lusa

O grupo parlamentar do Partido Socialista emitiu uma nota de repúdio à forma como a deputada Romualda Fernandes foi nomeada “de forma absolutamente inqualificável” na notícia da agência noticiosa.

Ana Catarina Mendes, líder parlamentar, lançou o apelo, na nota, para “um pedido público de desculpas à deputada Romualda Fernandes e que os responsáveis pela veiculação desta notícia assumam as suas responsabilidades”. “O jornalismo deve estar ao serviço da democracia e não a referir-se às pessoas em termos inaceitáveis! Isso não é serviço público”, encerrou.

Mais Artigos
Quem Quer Namorar com o Agricultor? SIC
Opinião. Porque queremos namorar com agricultores?