Espaços culturais
Fotografia: José Frade/EGEAC

Espaços culturais preparam reabertura com as mesmas regras de 2020

A partir de 19 de abril, os espaços culturais podem voltar a abrir portas em moldes semelhantes aos do ano passado.

Os espaços culturais recebem, por fim, luz verde para a sua reabertura, agendada para 19 de abril. A partir desta data, cinemas, teatros e restantes salas de espetáculo poderão entrar em atividade, seguindo o mesmo leque de restrições definido em maio do ano passado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo as orientações previamente definidas, estes estabelecimentos devem conservar “um lugar livre entre espectadores, que não sejam coabitantes, sendo a fila anterior e seguinte com ocupação de lugares desencontrados”. O uso de máscara é, de igual modo, obrigatório, fazendo-se acompanhar pela necessidade de desinfeção dos espaços entre espetáculos.

As duas primeiras filas junto ao palco devem permanecer desocupadas, de modo a garantir uma distância de 2 metros entre a boca de cena e os espetadores. Quanto às saídas e entradas do público, devem ser realizadas mediantes circuitos bem definidos e facilitadas pela abertura de portas “sempre que possível”.

Restrições de horários mantêm-se

No que toca a horários, a Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) anunciou na semana passada algumas restrições já conhecidas. Os estabelecimentos culturais devem fechar às 22h durante a semana e à 13h aos fins de semana.

De acordo com uma nota publicada pela IGAC na passada sexta-feira (26), “tendo a Resolução do Conselho de Ministros n.º 19/2021, de 13 de março, fixado como hora limite de funcionamento as 22:00 durante a semana e as 13:00 durante o fim de semana, para o setor da restauração a partir do dia 19 de abril, e considerando que os horários da restauração e das salas de espetáculos têm sido sempre semelhantes, deve ser este o horário considerado”.

No seguimento de tais indicações, a Espaço Público – Associação Profissional de Trabalhadores Culturais propõe às entidades competentes, uma reavaliação destes horários, dependendo do estado da pandemia do país. A meta ideal seria, eventualmente, retirar a hora fixa de término a 3 de maio, de modo a facilitar a reabertura da cultura.

Em comunicado, a Associação apela à revisão da medida, visto que “o plano de desconfinamento prevê horários evolutivos, por exemplo, para restaurantes, que, a partir de 3 de maio, poderão hipoteticamente funcionar sem limite de horários”.

“Sem querermos abordar a importância económica ou social dos diferentes sectores, parece-nos, porém, que a lógica ditaria que também para os teatros houvesse a mesma previsão, desde logo porque, como já é consabido, são dos locais de atividades sociais onde o risco de contágio é mais diminuto”, afirmam.

Além da reabertura dos espaços interiores, 19 de abril marca, também, o regresso dos eventos ao ar livre. Caso a evolução do estado pandémico se mantenha favorável, os grandes eventos exteriores, porventura incluindo festivais, podem ser realizados a partir de dia 3 de maio, com lotação reduzida.

Mais Artigos
Simone de Beauvoir
Simone de Beauvoir. O legado de uma pensadora feminista