O Bando

‘O Bando’. Nova série da Netflix é inspirada nos livros de Sherlock Holmes

Depois de Enola Holmes, a Netflix volta a apostar no universo de Sherlock Holmes. Desta vez, a plataforma de streaming lança O Bando, uma série realizada por Tom Bidwell e que contará com oito episódios. A primeira temporada tem data de estreia marcada para esta sexta-feira, dia 26 de março.

O Bando conta a história de cinco adolescentes problemáticos – Jessie, Bea, Billy, Spike e Leo – que trabalham como informadores privados de Holmes e Dr. Watson, dando-lhes pistas e ajudando-os a resolver casos. Tudo se complica quando, devido a uma fenda na “barreira entre o nosso mundo e o próximo”, um poder obscuro começa a ameaçar o mundo.

Agora, O Bando é a única esperança contra as forças malignas que ameaçam a cidade, as pessoas que de repente ganharam poderes e os vários homicídios que ocorrem por todo o lado. Assim, a série passada em Londres durante a era Vitoriana não se foca só no lado do crime e do mistério, tão característico deste universo, mas aborda também vários elementos sobrenaturais.

O elenco de O Bando conta com a presença de Thaddea Graham, Darci Shaw, Jojo Macari, McKell David, Harrison Osterfield, Royce Pierreson e Henry Lloyd-Hughes.

Do século XIX para o XXI

O Bando não é um grupo inventado pela Netflix. Aliás, a primeira aparição de Jessie, Bea, Billy, Spike e Leo remete os fãs para o livro Um Estudo em Vermelho, de Sir Arthur Conan Doyle. A grande diferença é que, no livro, os cinco adolescentes são, na verdade, crianças, logo, assume-se que a narrativa de O Bando se passará no futuro. Ainda assim, já nesta obra literária, escrita em 1887, Holmes descrevia as personagens como sendo “afiados como agulhas, tudo o que querem é organização”.

Esta não é, também, a primeira aparição dos cinco personagens adolescentes na televisão. Eles aparecem como jovens em condição de sem-abrigo na série Sherlock, da BBC, e na série de televisão Elementar, na CBS.

Mais Artigos
Paula Cordeiro: “o sucesso não é necessariamente uma coisa, pode ser outra”