Rádio Comercial
Fotografia: Rádio Comercial

Rádio Comercial mantém-se a rádio mais ouvida do país

A RFM segue na segunda posição, seguida da M80 e da Renascença.

Depois de ter liderado o consumo do meio rádio durante o ano de 2020, a Rádio Comercial volta a confirmar a sua liderança, desde o início de 2021. Os resultados permitem reforçar a posição de “rádio mais ouvida do país” pela 16.ª vaga consecutiva.

Segundo os dados do Bareme Rádio da Marktest, divulgados pelo Meios & Publicidade, a estação do grupo Media Capital Rádios (MCR) é líder com uma Audiência Acumulada de Véspera (AAV) de 17,7%. A RFM, que recua uma décima face à vaga anterior, mantém-se na segunda posição com 16,3% – as duas estações ficam, assim, separadas por 1,4%, uma descida face á última vaga de 2020.

Os valores alcançados pelas duas estações com maior audiência em Portugal revelam a resistência do setor da rádio neste novo período de confinamento, apesar de algumas quebras face ao mesmo período no ano passado. O consumo total de rádio na primeira vaga de 2021, período de 1 de novembro de 2020 a 21 de fevereiro de 2021, indica uma AAV de 56,6%, valor que compara com 58% na vaga anterior.

A análise dos resultados confirma que a Rádio Comercial, da Media Capital Rádios, continua em posição de liderança e amplia a vantagem para o grupo Renascença Multimédia (ao qual pertence a RFM), que na última vaga era de dois pontos percentuais, para 2,9 pontos percentuais.

Lê também: Audiências. ‘Casa Feliz’ na liderança bate máximo anual

A M80 continua a ocupar a posição de terceira rádio mais ouvida do país, com 7,9% de AAV, consagrando-se, pela primeira vez, como a segunda rádio mais ouvida na Grande Lisboa, resultado de um aumento de 9,7% relativamente ao período homólogo. Já a Renascença, ocupa o quarto lugar com uma AAV de 6,1% valor que, apesar de representar uma quebra de cinco décimas face aos 6,6% com que encerrou o último ano, se situa acima dos 6% registados pela estação na vaga homóloga em 2020.

Fotografia: Renascença / Divulgação

A estação pública Antena 1 completa o top 5 das rádios mais ouvidas no país, registando um crescimento de audiências em relação à vaga anterior e à vaga homóloga, alcançando um AAV de 5,2% no arranque deste ano. A estação do grupo RTP sobe seis décimas, em relação à última vaga, e sete décimas comparativamente à primeira vaga de 2020.

A sexta posição pertence à TSF, que mantém os mesmos 3,3% alcançados na última vaga. A Cidade FM continua na linha da frente das mais rádios jovens, com 3% de AAV, contra a Mega Hits, que regista uma AAV de 2,9%. A Antena 3 segue no nono lugar, mantendo os mesmos 1,6% da última vaga, o que significa uma quebra de cinco décimas décimas relativamente aos 2,1% registados na vaga homólogo. A encerrar o top 10 encontram-se a Smooth FM e a Antena 2, ambas com uma AAV de 0,8%.

De acordo com Salvador Bourbon Ribeiro, CEO da Media Capital Rádios, os resultados obtidos pelo grupo demonstram “que os portugueses continuam com hábitos de escuta de rádio bem enraizados. O valor de consumo é extraordinário se considerarmos que estivemos, de novo, em período de confinamento. E, em segundo, que os portugueses continuam a preferir as nossas estações. A Rádio Comercial é líder absoluta em todas as varáveis, a M80 reforça a sua posição, atingindo até a façanha de ser a segunda estação de Rádio mais ouvida na Grande Lisboa depois da Comercial e a Cidade FM bate, mais uma vez, a sua concorrente mais direta. Somos o maior grupo de Rádios em Portugal”, conclui.

A MCR, empresa do Grupo Media Capital, é constituída pela Rádio Comercial, a estação mais ouvida em Portugal, a M80, a Cidade FM, a Vodafone FM e a Smooth FM. Este conjunto de rádios abrange um vasto leque de preferências musicais, chegando a um auditório diário de mais de 2 milhões de pessoas, entre os mais diversos públicos-alvo (sobretudo entre os 15 e os 55 anos). Todas as rádios do grupo MCR beneficiam ainda da divulgação e interação com os seus ouvintes através dos seus diferentes sites e aplicações para smartphones.

Mais Artigos
Sofia Arruda
Sofia Arruda reage após denúncia de assédio: “A opinião pública quer respostas”