Golden Globes 2021. Quem são as estrelas da festa?

Um olhar pelos nomeados e pelos que não tiveram a mesma sorte.

Início do ano é sinónimo de Golden Globes e nestes tempos, apesar de ser um período atípico, isso não muda. A estrada para Óscares tem aqui o seu início, premiando aqueles que foram os melhores no Cinema e na Televisão durante 2020 e princípios de 2021. O Espalha-Factos preparou-te uma lista das certezas, incertezas e principais ausências desta cerimónia dos Golden Globes na área do cinema.

Vê aqui a lista de vencedores

Tal como em todos os anos, várias figuras chegam a esta cerimónia com a (quase) certeza que vão vencer a estatueta, sendo que outras apenas sabem que têm tantas possibilidades como qualquer outro dos quatro nomeados. Para além destes, existem sempre as grandes ausências que são sentidas por todos, algo que não mudou entre os nomeados deste ano. 

Certezas

Chadwick Boseman

Chadwick Boseman como Leeve em Ma Rainey
Chadwick Boseman como Leeve em Ma Rainey (Fotografia: Netflix)

Estávamos em finais de Agosto quando fomos assolados pelas notícias da morte de Chadwick Boseman, mas já existiam bastantes rumores que falavam da desempenho incrível do mesmo em Ma Rainey ‘s Black Bottom. A estreia do filme só veio confirmar isso, mostrando um Chadwick solto e livre, dando-nos uma performance que teve tanto de paixão como de tristeza, como se o própio soubesse que o seu último suspiro estava próximo. É quase uma certeza que o Globo de Ouro para Melhor Ator em Filme Dramático será atribuído a Chadwick Boseman de forma póstuma, havendo pouco espaço para surpresas (ainda que  possam existir).

Maria Bakalova

Se existisse o prémio de melhor atriz principiante do ano, Maria Bakalova ganhá-lo-ia muito tranqulimente. Borat: The Subsequent Moviefilm surgiu num momento frágil para muitos de nós, onde o humor foi usado como uma forma de lidar com os dias mais facilmente. Para isso temos muito que agradecer a Sacha Baron Cohen e, acima de tudo, a Maria Bakalova, que apareceu, mostrou-se e arrasou, trazendo uma energia para o ecrã e uma presença que não deixou ninguém indiferente. O Globo de Ouro para Melhor Atriz em Filme de Comédia parece já ter o nome da atriz búlgara gravado, e vamos ver se a isto não se segue uma vitória nos Óscares.

Carey Mulligan

Carey Mulligan.
Carey Mulligan em Promising Young Woman. (Fotografia: Divulgação)

Com o passar dos anos, Carey Mulligan tem dado espetáculo em boa parte dos projetos em que tem participado. Desde a sua primeira nomeação para um Óscar com An Education, há 10 anos, que a atriz britânica ficou na retina do grande público, escolhendo sempre trabalhos com muito potencial. O seu mais recente, Promising Young Woman, é mais um exemplo, tem sido recebido pela crítica de forma incrível, elogiando a sua direção e estética, e acima de tudo, elogiando a performance de Carey Mulligan. A atriz mostra-se na sua praia neste filme, dando espetáculo até com as mais pequenas expressões faciais. Talvez 2021 lhe traga o seu primeiro Globo, e quem sabe, o seu primeiro Óscar.

Daniel Kaluuya

Consistência parece ter sido a chave do sucesso de Daniel Kaluuya até hoje. Desde 2015 que o ator britânico se envolve em projetos de sucesso e que têm sempre award-buzz. Em 2017 conseguiu a sua primeira nomeação para um Óscar com Get Out, e no ano seguinte era considerado o favorito com Widows de Steve McQueen, mas acabou esquecido quando o filme não teve a performance comercial desejada. 2021 trouxe-nos Judas and The Black Messiah e o seu nome voltou a aparecer nos boletins de voto pela sua personificação do famoso líder dos Panteras Negras, Fred Hampton, que tem deixado toda a gente de boca aberta, elogiando a sua capacidade de se tornar irreconhecível naquele papel tão poderoso. Uma vitória praticamente certa no Globo de Ouro para Melhor Ator Secundário.

Incertezas

Amanda Seyfried

Amanda Seyfried como Marion Davies
Amanda Seyfried como Marion Davies. Fotografia: Netflix/Divulgação

A reação a Mank, o mais recente trabalho de David Fincher, foi dividida entre os críticos, mas todos concordam numa coisa: Amanda Seyfried fez a performance da sua vida. Interpretar Marion Davies, atriz americana conhecida pelos seus trabalhos nos anos 20, não era pêra doce, mas Amanda pareceu dominar por completo a personagem e mostrar uma ingenuidade muito reconhecível em Marion Davies. O único problema é que a sua maior adversária é Olivia Colman por The Father, que ainda nem teve um lançamento de alargado, por isso saber a vencedora do prémio de Melhor Atriz Secundária nestes Golden Globes é uma incógnita.

Riz Ahmed

A vitória de Chadwick Boseman nos Golden Globes para Melhor Ator em Filme Dramático é praticamente certa, mas a verdade é que Riz Ahmed ainda tem uma palavra a dizer. O ator e rapper anglo-paquistanês surpreendeu o mundo do cinema com a sua sensível e emotiva interpretação de um baterista de punk rock que lentamente se vai tornando surdo em Sound of Metal, mostrando uma sensibilidade e empatia pouco vista para este tipo de papel. Noutro ano a sua vitória seria quase certa, mas em 2021 talvez não chegue para arrecadar o galardão.

Sacha Baron Cohen

Sacha Baron Cohen
Sacha Baron Cohen em Borat, o Filme Seguinte. (Fotografia: Divulgação)

O comediante britânico teve um ano para recordar mais tarde. Depois de ter dado espetáculo pela sua interpretação do ativista Abbie Hoffman no mais recente filme de Aaron Sorkin, The Trial of the Chicago 7, e que lhe valeu uma nomeação para Melhor Ator Secundário, o ator surgiu mais confortável que nunca em Borat: The Subsequent Moviefilm, mostrando coragem, determinação e um timing cômico pouco visto nos atores contemporâneos. Sacha Baron Cohen pode vir a repetir a vitória de 2007, pelo exato papel de Borat, mas a concorrência é feroz, batendo-se contra dois favoritos de Hollywood: o eletrizante Lin Manuel Miranda (Hamilton) e o sempre engraçado Andy Samberg (Palm Springs). 

Ausências

Jessie Buckley

Jesse Plemons, Jessie Buckley, Toni Collette, David Thewlis em Tudo Acaba Agora
Fotografia: Mary Cybulski/NETFLIX © 2020

Como se 2020 já não fosse confuso o suficiente, Charlie Kaufman lançou I’m Thinking of Ending Things e deixou muita gente a pensar, normalmente sem chegar a nenhuma conclusão. O sucesso deste filme (ou a falta dele, depende da perspetiva de cada um) muito se deveu a Jessie Buckley, a atriz irlandesa que tem surgido nos últimos anos como um nome a ter em conta para o futuro. Protagonizando a personagem principal (ou secundária, não se percebe bem), Jessie deu nas vistas com um trabalho reservado, cheio de pequenas nuances que só aumentaram a confusão e ansiedade do espectador, o que era o pedido para o filme em questão. Uma pena que não seja o típico projeto premiado pelas pessoas de Hollywood e muito menos para votantes de Golden Globes, mas qualidade não lhe falta. 

Jesse Plemons

Muitas vezes confundido com Matt Damon mas com um talento fora do normal, Jesse Plemons tem vindo a subir lentamente no mundo do cinema. O crescimento desde que protagonizou o franzino Todd em Breaking Bad é visível e, nos dias de hoje, o ator parece estar em todo o lado. Contracenou de maneira exímia com Jessie Buckley em I’m Thinking of Ending Things, com uma performance a lembrar o grande Philip Seymour Hoffman, e que merecia ter tido mais atenção. Mais recentemente, brilhou em Judas and The Black Messiah, onde protagoniza um sereno detetive do FBI que parece estar sempre pronto a explodir. O projeto seguinte é o protagonismo no próximo filme de Martin Scorsese, e com isto, talvez os prémios comecem a cair no seu colo. 

Steven Yeun 

Steven Yeun em Minari.
Steven Yeun em Minari. (Fotografia: Divulgação)

O cinema coreano parece andar a viver um processo de renascimento. 2019 trouxe-nos Parasite, que dispensa apresentações, e 2020 trouxe-nos o íntimo Minari, um dos grandes favoritos à grande vitória nos próximos Óscares, mas que nesta cerimónia dos Globos se cinge apenas à categoria de Melhor Filme Estrangeiro (representando os Estados Unidos, vá-se lá saber). Neste mesmo processo de renascimento, Steven Yeun tem surgido como um nome a ter em conta.  O facto de não ter sido nomeado para Melhor Ator por Minari é algo visto com grande surpresa, mas talvez seja mais uma vítima dos protocolos dos Golden Globes. Veremos o que a sorte lhe reserva para os Óscares.

Sidney Flanigan

Tal como em todas as indústrias, 2020 trouxe mudanças no paradigma do cinema. Com o adiamento dos vários blockbusters, os olhares atentos viraram-se para o cinema independente, explorando vários lançamentos não teriam tanta visibilidade em tempos normais. Never Rarely Sometimes Always foi um dos maiores beneficiados com isto, trazendo a público a jovem Sidney Flanigan, atriz relativamente desconhecida mas que é dona de uma das melhores performances do ano e que devia ter tido mais atenção na altura de votar nas pessoas de destaque no mundo do cinema. A verdade é que o filme que protagoniza mostra ideias um pouco contra aquelas partilhadas pelo envelhecido público que votou nos nomeados, mas o reconhecimento pela sua performance, ainda que imaterial, ninguém lhe tira. 

A 78.ª edição dos Golden Globes realiza-se este domingo (28) e não é esperado que tenha transmissão em canais portugueses. 

Mais Artigos
Amor Amor foi o programa mais visto do dia.
Audiências. ‘Amor Amor’ volta a ser o programa mais visto do dia