Gal Gadot
Fotografias: D.R.

Gal Gadot produz documentário sobre “mulheres-maravilha” pelo mundo

A série chama-se 'Impact' e conta com seis episódios

A atriz Gal Gadot salta da banda-desenhada para o mundo real com Impact, uma nova série documental criada em conjunto com a National Geographic sobre as “mulheres-maravilha” do nosso mundo. A série estreia em Portugal em junho.

Conhecida por interpretar Mulher-Maravilha no grande ecrã, nos filmes Mulher-Maravilha Mulher-Maravilha 1984, entre outras produções do universo DC, a atriz está a produzir uma série documental sobre as suas “maravilhas de mulher” – mulheres inspiradoras do mundo real.

Ao longo de seis episódios, a série conta as histórias de inúmeras mulheres que cresceram, ou viveram em contextos difíceis, de pobreza ou violência, e que conseguiram vencer estas adversidades e criar movimentos que mudaram as suas comunidades e mundo.

Numa sessão de apresentação de Impact, que decorreu durante a digressão da Television Critics Association (TCA), a atriz refere que “estas mulheres são incríveis e as verdadeiras heroínas“, que “estão no terreno a suar e a fazer tudo o que podem para tornar o mundo num lugar melhor“.

A inspiração para o novo projeto

Foi a história da bailarina brasileira Tuany Nascimento que inspirou a série documental. Na favela do Morro do Adeus, uma das mais perigosas do Rio de Janeiro, Nascimento conseguiu abrir uma escola de ballet clássico, chamada Na Ponta dos Pés.

Tuany Nascimento, que também participou na sessão de apresentação do documentário, explicou a importância de ver a sua história neste documentário. “Estar dentro desse documentário é alavancar a voz dessas meninas, dizer quem nós somos para o mundo e deixar de existir somente dentro da comunidade do Rio“, disse.

Gadot elogiou o papel de Tuany na sua comunidade do Rio de Janeiro, dizendo que graças à escola de ballet, as crianças do Morro do Adeus “conseguem sonhar mais alto, sair deste ciclo e mudarem completamente as suas vidas“.

Segundo a Deadline, Gal Gadot sentiu responsabilidade de contar histórias no feminino logo depois do lançamento de Mulher-Maravilha, em 2017. Com esta seleção de histórias, Gadot espera inspirar “positividade e mudança em todo o mundo, pois nós temos esse poder“. “Nós somos todas um, estamos todas a lidar com diferentes problemas, mas podemo-nos ajudar“, explica.

As mulheres-maravilha

Além de Tuany Nascimento, a série vai contar outras cinco histórias de impacto e resiliência. A primeira é a de Arianna, uma estudante porto-riquenha de 19 anos, que lidera uma equipa que se certifica que todos têm comida e água limpas depois do furação Maria. Já Kelsey, da Califórnia, EUA, é uma psicóloga que perdeu a irmã para a Covid-19 e está a ajudar pessoas a lidar com o luto através de terapia e surf, uma das suas paixões.

Kayla, uma mulher trans do Tennessee, EUA, que viver parte da sua vida em condição de sem-abrigo; atualmente, está a construir casas para outras mulheres trans que necessitem de um lar. A patinadora de 20 anos Kameryn, do Michigan, EUA, que treina jovens raparigas de diferentes origens para triunfar na pista de gelo. E ainda Shirell, nativa americana e primeira chefe de uma tribo costeira no Louisiana.

A série é produzida por Gal Gadot em conjunto com Jaron Varsano e é realizada por Vanessa Roth, vendecora de um Óscar. Impact terá seis episódios, cuja estreia está marcada para dia 19 de abril nas plataformas digitais em da National Geographic. A estreia em televisão, em 172 países – incluindo Portugal – acontece em junho.

com Tiago Serra Cunha

Mais Artigos
Rogério Charraz
À Escuta. Rogério Charraz, Wet Bed Gang e a colaboração entre os D’Alva e Claúdia Pascoal em destaque