Britney Spears canta em evento de Ano Novo

Após 13 anos, Britney Spears tem vitória em tribunal que reduz tutela do pai

Depois de anos de luta contra o regime de tutela gerido pelo pai, que impede Britney Spears de tomar várias decisões importantes sobre a sua vida, a artista norte-americana deu um pequeno passo em direção à liberdade.

A decisão foi feita pela juíza do tribunal superior de Los Angeles, Brenda Penny, esta quinta-feira (11). Após 13 anos de uma tutela gerida por Jamie Spears, que o permite controlar a fortuna da filha, avaliada em 60 milhões, e depois de várias contestações por parte da cantora, o tribunal respondeu finalmente aos apelos de Britney e ordenou que a tutela passará a ser dividida.

Desta forma, o pai da artista norte americana de 39 anos passará a controlar 50% da tutela, sendo que os outros 50% pertencem agora a uma empresa independente de gestão de fundos fiduciários, denominada Bessemer Trust, empresa escolhida pela juíza.

No entanto, depois desta decisão, algumas questões terão de ser debatidas, como por exemplo a negociação de orçamentos e outras questões financeiras, que serão discutidas em tribunal nos próximos dois meses.

Quando questionado sobre a decisão da juíza, o advogado da artista, Sam Ingham, considerou esta uma vitória parcial, sendo que frisou que a vitória total só será conseguida quando Jamie Spears perder todo o controlo sobre a tutela que aprisiona Britney.

Deste modo, a vitória total poderá ainda estar longe visto que o regime de tutela foi renovado até setembro de 2021, no entanto, o caso terá mais audiências, estando a próxima agendada para dia 17 de março.

Assim, a luta da cantora ainda não chegou ao fim, sendo que Britney Spears ameaçou, no final de 2020, não voltar a atuar enquanto o seu pai não perdesse o controlo do regime de tutela.

O regime de tutela e o novo documentário

O regime de tutela foi iniciado em 2008 depois de Britney ter sofrido uma série de colapsos mentais, o que levou ao seu pai a declará-la em tribunal mentalmente incapaz de gerir os próprios bens. Desta forma, 12 anos depois, Britney é proibida de realizar tarefas mundanas como estar com amigos, gerir a sua fortuna, conduzir e até casar.

Logo que se aperceberam da situação, os seus fãs iniciaram o movimento #FreeBritney nas redes sociais. Este movimento deu notoriedade à situação e levou o The New York Times a produzir o documentário Framing Britney Spears que retrata a dureza da vida da cantora.

 

Mais Artigos
Sentinelle
‘Sentinelle’. Netflix lança thriller sobre vingança após agressão sexual