Auga Seca
Fotografia: RTP/Divulgação

‘Auga Seca’. Série da RTP com a HBO inicia gravações da segunda temporada

Os novos episódios da produção luso-espanhola vão estrear na HBO Portugal e Espanha.

Auga Seca, produção luso-espanhola da RTP com a TV Galicia, tem uma segunda temporada confirmada a caminho. Os novos episódios vão estrear na HBO Portugal e também no catálogo espanhol, depois de ter sido comprada para transmissão nos países ibéricos pela plataforma de streaming. As gravações arrancam esta segunda-feira, 1 de fevereiro.

A nova temporada da trama protagonizada por Victoria Guerra, Monti Castiñeiras e Sergio Pazos vai ter oito episódios e vai estrear diretamente nas plataformas portuguesa e espanhola da HBO – catálogo onde chegou em abril do ano passado, tornando-se a primeira série portuguesa no serviço.

As gravações do thriller (que estavam inicialmente agendadas para começar em setembro de 2020) arrancam no primeiro dia de fevereiro em Vigo, onde ficam até março. Depois, continuam em Lisboa até ao final de abril, mês em que devem ficar concluídas. A HBO esclareceu que as filmagens vão decorrer “com o máximo de medidas sanitárias e protocolos para a prevenção da Covid-19”.

O regresso da produção luso-galega, desta vez no streaming

Os novos episódios estendem a trama para lá dos seis episódios da primeira temporada. A série, rodada em galego e português, inicia-se quando Teresa (Victoria Guerra) vê a sua vida dar uma volta ao receber a notícia da morte do irmão. Paulo (João Arrais), com 24 anos, trabalhava como ajudante numa empresa portuária em Vigo, que pertence à sua família galega.

A história que circunda o possível suicídio não é consistente e faz todos, desde Teresa aos investigadores, duvidar que assim tenha acontecido. Teresa segue para Vigo e inicia uma investigação por conta própria, que pretende desvendar o que realmente aconteceu num meio pautado pelo tráfico de armas e a sua relação com o mundo dos negócios.

De acordo com a HBO, a nova temporada “vai mergulhar nas origens dos negócios da família Galdón e dos seus conflitos com a família de Teresa. A produção torna-se, ao ter produção da plataforma, mais um dos originais portugueses para um gigante do streaming internacional – a par de Glória, a primeira série portuguesa da Netflix, que deverá estrear ainda este ano.

Auga Seca
Fotografia: RTP/Divulgação

Além de Guerra, Castiñeiras e Pazos, regressam ao elenco nomes como Adriano LuzEva Fernández ou Belén Constenla, juntamente com novas adições que serão reveladas nos próximos meses.

Auga Seca, uma série da Portocabo, volta a ser realizada por Toño Lopez, a quem se junta o português Sérgio Graciano. A produção executiva é de José Amaral da SP-i, ramo internacional da SP Televisão, e Alfonso Blanco, criador da série. O guião é da responsabilidade de Roberto G. Méndez, Miguel Simal, Alfonso Blanco, Nina Hernández e Ana Míguez, a direção de fotografia é de Lucía C. Pan e Manuel Pintos e a música original está a cargo de Elba Fernández e Xavi Font.

Além do território ibérico, foram vendidos direitos de emissão da série para os Países Baixos, a Finlândia e para a Europa de Leste.

Lê também: Crítica. ‘Auga Seca’ é o thriller da RTP que devíamos estar a ver
Mais Artigos
feminina
Contadoras de histórias. A resistência feminina no pequeno e no grande ecrã