Nenny
Fotografia: COLORS

À Escuta. Nenny, Capicua e Conferência Inferno em destaque

Numa semana muito interessante para a música portuguesa, o À Escuta, rubrica semanal do Espalha-Factos em que se destaca os lançamentos da música nacional, destaca a ida de Nenny ao COLORS, a celebração de um ano de Madrepérola, de Capicua, e o primeiro avanço do disco de estreia de Conferência Inferno.

Há ainda espaço para falar sobre os novos singles de Chico da TinaDream People, Misfit Trauma Queen Vasco Completo, do regresso de The Weatherman, da estreia de Ana Bessa, Chão MaiorJoão Borsch, estes últimos com um longa-duração, e da colaboração da dupla y.azz x b-mywingz com ZMESS.

Nenny apresenta ‘Tequila‘ no COLORS

Depois de Dino d’Santiago e Mayra Andrade, chegou a vez de Nenny (nome com o qual se apresenta a cantora e rapper Marlene Tavares) levar a sua música ao COLORS, um dos programas de música urbana online mais prestigiados da atualidade.

Tequila’ é o nome do single que a cantora apresentou no programa, e corresponde ao seu primeiro lançamento do ano e o primeiro desde  Aura, o projeto que consolidou a artista como uma das revelações de 2020. A sua performance no programa destaca-se não só pelo seu poder vocal e flow, prestando homenagem às suas raízes cabo-verdianas, mas também pela sua indumentária, da autoria da Marques Almeida e com styling de Ana Silva. Olhando para os comentários ao vídeo, dá para perceber que uma das artistas mais talentosas e promissoras do panorama nacional vai, com certeza, aumentar o seu número de fãs além-fronteiras.

Capicua celebra um ano de Madrepérola com Encore, um EP ao vivo

Um ano depois do lançamento de Madrepérola, considerado um dos melhores discos de 2020 pelo Espalha-FactosCapicua celebra o aniversário simbólico com o lançamento de um novo EP, intitulado Encore. O EP é constituído por versões ao vivo de cinco temas de Capicua, entre eles, o tema inédito que dá título ao projeto. O EP foi gravado ao vivo no Teatro Rivoli e no Teatro Aveirense.

Capicua
Fotografia: Divulgação

Sobre Encore, a artista portuense refere que “2020 foi o ano em que as circunstâncias revalorizaram e resignificaram a experiência de estar em palco diante de uma plateia. Cada concerto foi uma conquista e um acto de resistência”, tendo Encore surgido como uma vingança para “tanta vontade contida e tanta partilha por consumar“.

Encore é, precisamente, o título deste conjunto de músicas, não apenas por ser só mais um bocadinho de palco que queremos guardar para sempre, mas por dar a merecida continuidade a Madrepérola, conclui Capicua. Ao vivo, a simbiose entre Capicua e os seus companheiros de palco – D-One, Virtus, Luís Montenegro, Sérgio Alves, Joana Raquel e Inês Malheiro – é notável. As faixas da artista ganham toda uma nova vida, mostrando que Capicua é muito mais que uma rapper. É uma força criativa, com um flow e lírica impressionante, que em cima de palco revela todo o seu poder.

‘Ausente’ prepara-nos para o disco de estreia dos Conferência Inferno

Ausente’ é o nome do single que antecipa o lançamento do disco de estreia dos Conferência Inferno, “trio badwave do Porto” formado por Francisco Lima, Raúl Mendiratta e José Miguel Silva. Intitulado de Ata Saturna, o disco tem lançamento marcado para o o próximo dia 5 de fevereiro e promete ser uma odisseia arqueológica pelos clubes alternativos da contracultura portuense.

Em ‘Ausente’, há várias influências que são rapidamente notadas. A groove infindável e repetitiva da bateria vem da escola do krautrock alemão, com o seu pulso motorik que nos atira sempre mais para a frente na pista de dança noturna em que nos encontramos. A influência de António Variações é notável, com os sintetizadores punk de ‘Ausente’ a fazer lembrar as criações mais iniciais do artista marcante na história da música portuguesa.

As guitarras estridentes vão surgindo de forma intermitente ao longo de ‘Ausente’, antes de se estenderem pelo climax da faixa – e, por essa altura, já estará a pista de dança toda ocupada. É impossível ignorar a capacidade que ‘Ausente’ tem para nos pôr a dançar noite fora. Se o seu EP de 2019, Bazar Esotérico, fez furor, estaremos mais que entusiasmados para descobrir como irá soar Ata Saturna. ‘Ausente’ é um grande aperitivo do que aí vem.

A estética mais próxima do R&B de Chico da Tina, em ‘Todo o Dia’

Todo o Dia é o segundo avanço do próximo álbum da trapstar do Minho, Chico da Tina, intitulado de E agora como é que é. A faixa conta com produção do produtor sul-africano Lincoln e do brasileiro XB$, ambos produtores do denominado plugg – subgénero musical que é uma ramificação do trap.

Em ‘Todo o Dia’, Chico da Tina abraça uma estética mais perto de um R&B, em termos de trabalho vocal, do que do seu trap habitual. O beat é atmosférico e enquadra-se bem nos vocais, mais ou menos manipulados, do artista. Apesar da música conter algumas referências à portugalidade que Chico da Tina tem vindo a apresentar, estas possuem um papel reduzido, servindo aqui para dar um foco maior à própria personagem que é Chico da Tina.

Suburban Lifestyle Dream‘ é o segundo avanço do novo disco dos Dream People

Suburban Lifestyle Dream’ é o nome do novo single dos Dream People. É o segundo avanço do próximo disco da banda, intitulado de Almost Young. Ao contrário do ritmo elevado a que ‘People Think’ se deslocava, ‘Suburban Lifestyle Dream’ arrisca mais num crescimento gradual e intenso, culminando num belíssimo e estridente solo de guitarra já no último terço da faixa. O reverb que cobre a faixa cria uma atmosfera sonhadora, entre uma linha de baixo saltitante e guitarras melosas que vão surgindo.

O refrão de ‘Suburban Lifestyle Dream‘ é orelhudo, refletindo uma lírica existencial sobre o que é viver nos subúrbios de uma cidade grande como Lisboa. Almost Young tem data de lançamento marcada para o próximo mês de março.

Já Não Sabe Onde Anda’ é o single de estreia de Ana Bessa

Já Não Sabe Onde Anda’ é o single de estreia da cantautora Ana Bessa, uma faixa onde esta explora a sonoridade lo-fi de bedroom pop, género marcado pela estética DYI, bem evidente na música.

Os sintetizadores povoam grande parte da paisagem sonora de ‘Já Não Sabe Onde Anda‘, complementando a voz quente de Ana. A incerteza perante o quotidiano mundano, presente de forma evidente na lírica, é algo que parte, de acordo com a artista, da “necessidade de representar a sensação de se estar preso a um quotidiano entediante e cíclico, corrompendo a criatividade individual e colocando-nos à mercê de um sistema estandardizado e automatizado.

Esta incerteza acaba por funcionar como a antítese da faixa. Se, por um lado, temos um instrumental e voz que são acolhedores, por outro, existe uma aura de insegurança que vai pairando sobre a música, surgindo ora na bateria extremamente crua, ora na lírica de Ana. Veremos que caminhos Ana Bessa irá seguir no futuro na sua aventura musical.

Mais uma voz no resurgimento do jazz português: Drawing Circles dos Chão Maior

Drawing Circles é o nome do disco de estreia dos Chão Maior, banda constituída por Yaw Tembe (composição, trompete), Norberto Lobo (guitarra), Leonor Arnaut (voz), Ricardo Martins (bateria), João Almeida (trompete) e Yuri Antunes (trombone).

Chão Maior
Fotografia: Marco Franco

Com Drawing Circles, os Chão Maior juntam-se ao conjunto de grupos que estão a revitalizar o jazz português. Mas, ao contrário dos YAKUZA ou AZAR AZAR, em que a groove provém muito da junção entre baixo e bateria, os Chão Maior criam a groove através da junção entre os seus vários instrumentos de sopro e bateria. O resultado final aproxima-se a algo que, se tivéssemos de apelidar musicalmente, soa a uma junção entre jazz e banda de marcha. Há influências de experimental, maioritariamente de free jazz e música erudita, que se vão fazendo notar em várias faixas do disco, revelando-se como belos momentos de composição e, também, do equilíbrio existente entre os diferentes membros da banda.

Todos os temas do disco são intitulados de Círculo ou Passo, servindo de transcrição aos “diálogos entre os diferentes membros numa tela que se apresenta circular“. Drawing Circles é um disco de estreia, com uma sonoridade muitíssimo própria, que precisa de ser ouvido com muita atenção para se conseguir aproveitar todos os pequeníssimos detalhes que nele vão aparecendo. E há mesmo muitos e muitos para apreciar.

João Borsch convida-nos a passa uma noite romântica

João Borsch
Fotografia: Divulgação

Uma Noite Romântica com João Borsch é o disco de estreia de João Borsch – como o nome do álbum indica -, músico nascido no Funchal mas radicalizado, atualmente, em Lisboa. Apresentando uma estética próxima do kitschUma Noite Romântica com João Borsch é um disco eclético, bebendo influências de artistas como The Beatles ou Capitão Fausto, evidenciada pelas melodias de pop psicadélico que vão sendo encontradas, orelhudas, ou pela agressividade, frontalidade e capacidade para experimentar de artistas como System of a Down ou Mr. Bungle, como o artista teve oportunidade de contar em entrevista ao Espalha-Factos.

Smoke Dial’ é o novo single de Misfit Trauma Queen

O projeto a solo do produtor e baterista David Taylor, Misfit Trauma Queen, está de volta aos lançamentos com ‘Smoke Dial’, o seu novo single. É uma faixa extremamente negra e pesada, onde o baixo distorcido é utilizado de forma brutal pelo artista para fazer a faixa avançar.

A influência da música industrial torna-se notória ao longo da evolução da faixa, incorporando também elementos de drum and bass e IDM, para um break delicioso e psicadélico. O novo disco de Misfit Trauma Queen tem data de lançamento apontada ainda para os primeiros meses de 2021.

O regresso de The Weatherman com ‘Valentina’, uma ode ao feminino

Valentina’ marca o regresso de The Weatherman aos lançamentos, sendo o primeiro avanço do quinto longa-duração do projeto musical do cantautor Alexandre Monteiro. Intitulado de All Cosmologies, o disco será lançado no próximo dia 26 de fevereiro.

Em ‘Valentina’, a sensibilidade pop de The Weatherman é explorada ao máximo. O refrão é extremamente orelhudo, cimentando a faixa como uma ode ao feminino. A faixa, que possui uma estética ligeiramente lo-fi, é marcada por sintetizadores psicadélicos e belos, e por guitarras cruas e estridentes – incluindo até um solo bem ruidoso – mas sem nunca perder qualidade nem dinâmica, fazendo lembrar alguns dos trabalhos mais recentes de Spiritualized. A voz suave de Alexandre encontra-se algo distante na mistura, mas acaba por complementar toda a estética crua que paira sobre ‘Valentina’.

All Cosmologies, além de ser o nome do quinto disco do artista, será também o nome de uma curta-metragem que acompanha o disco. É realizada por Vasco Mendes, com a atriz Carolina Amaral a encarnar Valentina, a personagem principal, e contou com o apoio da Fundação GDA.

‘Glue’ é a expressão solitária de Vasco Completo

O músico Vasco Completo abre o seu 2021 com o lançamento de ‘Glue’, uma faixa marcada pela sua atmosfera emotiva e sonhadora, na qual as portas se abrem para um mundo totalmente hipnotizante. Com influências de trip-hopdowntempoR&B, ‘Glue’ é uma faixa que se vai estendendo ao longo dos seus cinco minutos sem nunca parar de nos surpreender a cada troca de beat que ocorre.

Os sintetizadores são hipnotizantes e muito bem trabalhados, servindo como criadores de um ambiente ligeiramente – quem queremos enganar, bastante – depressivo e solitário, e as teclas de piano que vão surgindo e pautando o ritmo da faixa adicionam uma camada simples, mas que aumenta a atmosfera solitária que a música transparece.

A viagem noturna de y.azz x b-mywingz com ZMESS em ‘Too Far’

Too Far‘ é o novo single que antecipa o lançamento do álbum de estreia da dupla y.azz (Mariana Prista) e b-mywingz (Margarida Adão), com edição agendada para março de 2021. A faixa conta com colaboração do músico ZMESS.

Apresentando uma sonoridade bastante noturna, com um beat produzido por b-mywingz e ZMESS, ‘Too Far’ é uma faixa “sobre superação, sobre conseguirmos ultrapassar obstáculos que a vida nos coloca em momentos mais baixos.” As vocais de y.azz e ZMESS complementam-se, e ajudam a aumentar a aura de uma viagem pelo meio de uma cidade, em plena noite, criada por ‘Too Far’.

 

 

 

Mais Artigos
Documentário
‘Pelé’. Netflix lança documentário sobre o astro do futebol