Keira Knightley
Fotografia: Divulgação

Keira Knightley recusa gravar cenas íntimas em filmes realizados por homens

Keira Knightley, atriz conhecida por vários papéis marcantes, entre eles o de Elizabeth no filme Orgulho e Preconceito, afirma que se recusa a gravar cenas íntimas e de nudez em filmes realizados por homens.

A revelação surgiu numa entrevista ao podcast Chanel Connects, onde conversou com a realizadora Lulu Wang e a produtora e escritora Diane Solway. Keira levantou um assunto que tem vindo a ser bastante discutido nos últimos tempos, principalmente devido ao movimento #MeToo: a maneira como os atores são tratados durante a filmagem de cenas de sexo.

Desta forma, a atriz de 35 anos não quer fazer cenas de sexo em filmes realizados por homens, no entanto a mesma afirma que esta opinião não se trata de um fechar portas absoluto quanto à ideia de protagonizar cenas de nudez.

Quanto às razões que sustentam a sua decisão, Keira afirma que “Uma parte é vaidade, a outra prende-se com o olhar masculino“, acrescentando que “A minha restrição [da nudez] não é absoluta, mas no caso dos homens é“. Acrescenta ainda que, no caso de ter nudez num filme em que participa, não quer “que sejam tipo aquelas cenas de sexo horríveis, em que está tudo pegajoso e toda a gente a gemer. Não estou interessada nisso“.

Uma perspetiva feminina da intimidade

Assim, Keira Knightley não descarta totalmente a ideia de filmar cenas íntimas, no entanto, estas têm de tem de ser realizadas por uma mulher, sendo que tais cenas têm de abordar a perspetiva feminina da intimidade. A atriz exemplificou o seu ponto de vista declarando que “Se for sobre a maternidade, o quão extraordinário é o corpo, sobre como de repente estamos a olhar para o corpo que temos e a vê-lo de uma forma completamente diferente, porque mudou em maneiras indescritíveis, então sim. Eu exploraria esse tema com uma mulher que o compreendesse”.

Keira Knightley, que se tornou mãe de Edie em 2015, tem desde esse ano uma cláusula nos seus contratos que proíbe a nudez e lhe dá direito de veto sobre as cenas de sexo que poderá protagonizar.

Para além disso, tendo sido mãe da sua segunda filha Delilah em 2019, a atriz vai mais longe e afirma que “Há vezes em que penso: ok, eu consigo perceber perfeitamente que o sexo tem de ser bom neste filme e que basicamente (o realizador) precisa de alguém giro. Por isso prefiro que chamem outra pessoa porque sou muito vaidosa, já tive duas crianças e prefiro não ficar nua à frente de um grupo de homens“.

Lê também: ‘Blonde’: Ana de Armas revela desafios da transformação em Marilyn Monroe
Mais Artigos
gloden globes
Golden Globes 2021. Conhece os nomeados para Melhor Filme Dramático