Netflix
Fotografia: D.R.

Netflix torna-se o segundo maior grupo de televisão na Europa

Uma das mais populares plataformas de streaming a nível mundial, a Netflix tem na Europa um dos seus territórios-chave em termos de crescimento. Em 2020 tornou-se o segundo maior grupo de operações no mercado da televisão do continente em rendimento anual.

Os dados são da Ampere Analysis, uma empresa internacional de análise de dados especializada em média e comunicações. A investigação concluiu que, durante o último ano, a Netflix tomou conta de mais de 6% de todas as receitas de televisão europeias, ficando em segundo lugar neste ranking de rendimentos.

A análise tem em conta receitas de publicidade, de subscrição de vídeo on-demand, de televisão por subscrição paga e financiamento público.

Acima da plataforma de streaming está apenas a Comcast, um conglomerado de telecomunicações norte-americano que na Europa detém as operações do grupo britânico Sky, o maior a nível europeu e com operações para além do Reino Unido, que acumula 12% destas receitas.

O serviço ultrapassou também a ARD, o consórcio de operadores públicos de televisão na Alemanha – que detém a emissora Das Erste e canais como o Tagesschau24 ou o internacional Deutsche Welle e que opera, em conjunto com outros grupos, canais como o franco-alemão Arte -, até agora em segundo lugar. O grupo é responsável por 5,9% das receitas a nível europeu.

Na lista figuram ainda outros grupos de televisão, como a BBC (em quarto lugar com 4,2%), o Canal+ (3,3%), a estação pública francesa France Télévisions (2,9%) ou a italiana Rai (2,2%).

netflix
Fotografia: Divulgação

streaming a ganhar terreno nas receitas

A lista dos principais players conta apenas com mais um serviço de streaming – a Amazon Prime Video é, a seguir à Netflix, o serviço deste segmento que mais receitas gera no continente, com 2% na 13.ª posição. Serviços como as versões on-demand da HBO (que até ao momento tem várias divisões no streaming a nível europeu até à chegada da HBO Max na segunda metade deste ano) ou a Disney+ ainda não figuram entre os mais relevantes, mas o segmento começa a ganhar cada vez mais tração.

O exemplo mais marcante continua a ser o da Netflix, que surgiu na Europa em 2012. Em 2016 estava já implementada por todo o continente, ultrapassando os mil milhões em receitas. No ano a seguir contava já com o maior número de consumidores entre todos os serviços de televisão por subscrição na Europa e chega em 2020 ao topo da lista no que diz respeito a receitas.

O crescimento é positivo, mas dita igualmente uma pressão nos emissores locais. Tony Maroulis, analista na Ampere, explica que “a pandemia do coronavírus levou ao declínio o mercado publicitário na televisão, acelerando a queda de marcas estabelecidas e tradicionais”, com as entidades locais a ter dificuldades a competir com estas ofertas.

“Ao longo dos próximos anos, a Netflix sozinha vai ter mais orçamento que muitas operadoras comerciais de topo”, explica, o que significa que terão oportunidade de produzir conteúdo com um tipo de qualidade que “a maioria da competição não consegue igualar”.

Apesar de não revelar dados concretos sobre o número de utilizadores, a Netflix é líder global no segmento e é uma das principais ofertas do streaming em Portugal. A plataforma chegou ao país em 2015 e, segundo a Marktest, poderá ter entre um a dois milhões de subscritores nacionais – dos mais de 2,5 milhões que utilizam o streaming por cá e que podem aderir também a serviços como a HBO Portugal, Disney+, Apple TV+ e Amazon Prime Video. Em todo o mundo, tem mais de 195 milhões de aderentes.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
gloden globes
Golden Globes 2021. Conhece os nomeados para Melhor Filme de Comédia ou Musical