Trump
Fotografia: Joshua Roberts/D.R.

Twitter suspende Donald Trump de forma permanente

A rede social Twitter baniu Donald Trump de forma permanente. O anúncio surgiu esta sexta-feira (8), depois de várias infrações às políticas de funcionamento da plataforma devido ao tipo de discurso utilizado na sua maior plataforma, que reunia mais de 88 milhões de seguidores.

Numa nota divulgada na divisão de segurança, o Twitter explica que a conta do presidente cessante dos Estados Unidos (EUA) foi suspensa após uma revisão aproximada aos conteúdos publicados por Trump e ao seu contexto, tendo depreendido que apresentavam “risco de mais incitamento à violência”.

Depois dos ataques da passada quarta-feira (6) ao Capitólio norte-americano por apoiantes de Trump, os tweets do presidente já tinham sido alvo de um aviso por parte da plataforma, que eliminou as publicações e impossibilitou-o de aceder à conta durante 12 horas. Além da promessa de ser banido pelo Twitter, o Facebook reagiu ao suspender a página oficial na plataforma e também no Instagram até ao final da presidência, a 20 de janeiro. O Snapchat bloqueou igualmente a conta do presidente.

No caso do Twitter, a suspensão é mesmo permanente. A rede social explica que o discurso utilizado por Trump nas suas recentes comunicações na plataforma foram analisados perante a política de Glorificação de Violência da empresa. O objetivo é “prevenir a glorificação (…) que pode inspirar outros a replicar atos violentos”, tendo sido determinado que os tweets do presidente teriam “forte probabilidade de encorajar e inspirar pessoas a repetir os atos criminosos que aconteceram no Capitólio a 6 de janeiro”.

Trump
Dois dos ‘tweets’ publicados por Donald Trump nas últimas horas. | Fotografia: Reprodução/Twitter

Entre as mensagens tidas como encorajadoras de manifestações a favor de Trump, fruto das alegações falsas de fraude eleitoral, além de outros motivos para a suspensão da conta, o Twitter diz que as declarações de Trump que indicam que não vai estar presente na tomada de posse de Joe Biden “estão a ser recebida pelos seus seguidores como confirmação da ilegitimidade da eleição”, assim como “encorajamento aos que consideram potenciais atos violentos nesse dia.

Além disso, a descrição dos seus apoiantes e invasores do Capitólio como “Patriotas Americanos” está a ser interpretada como “suporte aos que cometeram atos violentos no Capitólio”. A rede menciona ainda que a menção à “voz gigante” dos apoiantes é vista como indicador de que Donald Trump “planeia continuar a apoiar, potenciar e defender aqueles que acreditam que ele ganhou a eleição”.

Este apoio resulta em planos para futuros protestos armados, que “já proliferam dentro e fora do Twitter, incluindo um segundo ataque ao Capitólio a 17 de janeiro de 2021”.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.