‘Vitalina Varela’ é o novo candidato português aos Óscares

Filme substitui Listen, de Ana Rocha de Sousa, que foi recusado pela Academia de Hollywood.

Depois de Listen, de Ana Rocha de Sousa, ter sido recusado pela Academia de Hollywood, por não cumprir o critério que exige que pelos menos 50% do filme candidato seja falado em língua não-inglesa, é Vitalina Varela, de Pedro Costa, o candidato a nomeado para os Óscares.

Num cruzamento entre ficção e realidade, o filme conta a história de uma mulher que viveu grande parte da vida à espera de ir ter com o marido Joaquim, emigrado em Portugal. Sabendo que ele morreu, Vitalina Varela chega a Portugal três dias depois do funeral, encontrando uma casa e um passado que não conhece.

Votação Relâmpago

Vitalina Varela foi o filme escolhido numa votação relâmpago entre a meia-noite de sexta-feira e as 23:59 de domingo, organizada pela Academia Portuguesa de Cinema. Como possíveis candidatos para substituir Listen, de Ana Rocha de Sousa, estiveram também Mosquito, de João Nuno Pinto e Patrick, de Gonçalo Waddington.

Antes do anúncio da recusa de Listen, por parte da Academia de Hollywood, o presidente da Academia Portuguesa de Cinema, Paulo Trancoso, já havia assinalado que a prevalência da língua inglesa em Listen poderia vir a ser um problema para a sua elegibilidade.

Esperemos que não haja entraves, só um comité específico fará a análise dos filmes. Mas não poderíamos coarctar o filme a ser candidato”, refletiu em Novembro. “O filme tem língua inglesa, tem língua portuguesa, tem língua gestual, o contexto da linguagem está adequado, é uma história facilmente identificável que é sobre uma comunidade portuguesa”, acrescentou na altura, tentando justificar a sua consideração para os Óscares.

Num comunicado enviado à imprensa na última sexta-feira, a Academia Portuguesa de Cinema referiu que contactou a Academy of Motion Pictures Arts and Sciences “na fase de consideração de todos os filmes nacionais potencialmente elegíveis”, numa tentativa de perceber se a longa-metragem de Ana Rocha de Sousa poderia ser seleccionada.

Em resposta, a instituição americana informou que a deliberação sobre a elegibilidade só poderia ser feita “após o encerramento do prazo regular de submissões, existindo sempre a possibilidade de submeter um novo candidato” caso o primeiro fosse rejeitado.

As nomeações para os Óscares serão conhecidas em março, mas antes Vitalina Varela terá de chegar a uma shortlist, com dez finalistas, de onde resultarão os cinco nomeados.

A 93.ª edição dos Óscares, prémios norte-americanos de cinema, está marcada para 25 de abril de 2021, em Los Angeles, nos Estados Unidos. As nomeações para os Óscares serão conhecidas em março.