RTP
Fotografia: RTP/Divulgação

RTP. ‘Trezes’ junta autores e realizadores portugueses em 13 telefilmes

Fronteira é o primeiro filme a ir para o ar na RTP1 esta sexta-feira, 11 de dezembro.

A aliar a literatura ao cinema, a RTP1 regressa aos telefilmes numa contínua aposta na ficção nacional. O projeto Trezes leva para o ecrã contos de autores portugueses em 13 produções, cada uma assinada por um realizador diferente. Fronteira é o primeiro filme a ir para o ar, esta sexta-feira (11).

O projeto da RTP com a Marginalfilmes, produtora de José Carlos de Oliveira, traz o olhar de um realizador sobre um conto da literatura portuguesa, interpretado por um elenco de atores inteiramente nacional. Segundo a estação, esta aposta representa a “resiliência de uma atividade numa época complicada para o setor do audiovisual, quer em termos de produção de conteúdos diferenciadores, quer na qualidade dos elencos que reúne em cada projeto”, dizem em comunicado.

A ideia é juntar realizadores portugueses conceituados com outros em início de carreira, de forma a fomentar a produção numa época difícil para o cinema, que já se arrastava desde antes da pandemia – o projeto foi anunciado no ano passado. Da lista constam nomes do cinema como António-Pedro Vasconcelos ou António da Cunha Telles.

RTP
‘Fronteira’ | Fotografia: RTP/Divulgação

Fronteira, baseado num conto de Miguel Torga e realizado por João Cayatte, é a primeira produção do Trezes a ir para o ar na RTP1. Passado em 1970, foca-se na aldeia de Fronteira, onde chega um novo chefe de posto da Guarda Fiscal. Com convicções fortes sobre a aplicação da Lei, o chefe entra em confronto com a população, que sobrevive a fazer contrabando. Um conflito pessoal coloca a perspetiva do guarda em causa, que se vê obrigado a tomar uma decisão inesperada.

O filme, emitido esta sexta (11) às 22h30, é protagonizado por Sisley Dias e tem Carla Chambel, João Villas-Boas e Teresa Mello Sampayo no elenco.

Filmes são emitidos até março

Os telefilmes do Trezes serão emitidos semanalmente no horário nobre da RTP, sempre às sextas-feiras. Depois de Fronteira, a RTP já tem planeada a ordem de exibição de outros quatro filmes, entre dezembro e janeiro de 2021.

18 de dezembro – O Rapaz do Tambor 

Jaime (Rodrigo Santos), é um jovem introvertido e maltratado pelos colegas no colégio. O pai (Miguel Damião), diretor do colégio, trata-o com indiferença, mas, com o apoio da mãe (Sandra Santos), Jaime encontra num quadro, de um rapaz com um tambor à frente das tropas em batalha, inspiração e coragem que o tornam num herói contra a opressão. Realizado por Filipe Henriques, baseado num conto de Fernando Namora.

8 de janeiro – As Cinzas da Mãe

Isabel (Margarida Moreira) recorda-se desde criança do pedido da sua mãe (Paula Mora): ser cremada. Com a chegada do dia, ao lado do seu marido Daniel (João Craveiro), ouve a voz da mãe, que deixou também uma carta em testamento com instruções que podem acabar com o casamento de Isabel. Realizado por José Farinha, baseado num conto de Cristina Norton.

RTP
‘As Cinzas da Mãe’ | Fotografia: RTP/Divulgação
15 de janeiro – A Morte do Super-Homem

Luís Carlos (João Jesus) é um solitário, convicto de que tem total controlo sobre o seu apetite por cocaína e heroína. Regressado de Boston, onde esteve a pesquisar para a sua tese de Mestrado sobre o Super-Homem, percebe que o herói morreu. Luís desespera a achar que isso pode significar o fim da sua pesquisa e da sua ‘promissora’ carreira como professor universitário, onde poderia trabalhar ao seu ritmo e assegurar um ordenado confortável. Realizado por João Teixeira, baseado num conto de Rui Zink.

22 de janeiro – O Tesouro

Afonso (Rui Luís Brás), Egas (José Condessa) e Gualdim (Ivo Alexandre) são três irmãos nobres cuja fortuna foi perdida poucos anos antes. A viverem em Paço de Medranhos, mal vão sobrevivendo. A jovem criada destes irmãos, Rosa (Carolina Amaral), está prestes a perder a paciência pelo pouco que lhe pagam; e decide segui-los quando se embrenham no bosque, acabando por observá-los quando tomam posse de um cofre com uma fortuna em dobrões de ouro. Mas esta fortuna vai trazer a desgraça à família. Realizado por Carlos Coelho da Silva, baseado num conto de Eça de Queirós.

RTP
‘O Tesouro’ | Fotografia: RTP/Divulgação

Os restantes contos serão exibidos nas semanas seguintes, num projeto que se estende até ao início de março:

  • A Abóbada, de Alexandre Herculano, realizado por Cláudia Clemente
  • O Sítio da Mulher Morta, de Manuel Teixeira-Gomes, realizado por José Carlos de Oliveira
  • Um Jantar Muito Original, de Alexander Search, pré-heterónimo de Fernando Pessoa, realizado por Leandro Ferreira
  • O Ódio das Vilas, de Manuel da Fonseca, realizado por António da Cunha Telles
  • A Pereira da Tia Miséria, realizado por Marie Brand
  • O Lavagante, de José Cardoso Pires, realizado por António-Pedro Vasconcelos
  • Uma Vida Toda Empatada, de Mário de Carvalho, realizado por Tiago de Carvalho
  • Miss Beijo, de Lídia Jorge, realizado por Nuno Rocha
Mais Artigos
Presidenciais
Presidenciais. Sabe como as generalistas vão acompanhar a noite eleitoral