Fonte: IMDB

Jean-Luc Godard. 90 anos de um pioneiro do Cinema

“Uma história deve ter um início, um meio e um fim… mas não necessariamente por essa ordem” é uma das mais célebres citações atribuídas a Jean-Luc Godard, realizador, argumentista e crítico de cinema que celebra hoje o seu 90.º aniversário. Dono de uma das filmografias mais icónicas da História do Cinema e um dos mais conceituados realizadores da nouvelle vague francesa, Godard continua a ser uma inspiração para realizadores mundo fora pelo seu espírito inovador e “transgressor”.

De cinéfilo a realizador

Os anos 1950 foram promissores para cinéfilos, sobretudo com o surgimento dos ciné-clubs. Foi precisamente nesse meio que Godard começou a dar os primeiros passos no mundo do cinema, arte a que sempre deu especial importância. Nas palavras do próprio: “Nos anos 1950, o cinema era tão importante quanto o pão (…). Nós sonhávamos com filmes”.

Daí até começar a escrever crítica de cinema não demorou muito. No mesmo ano, co-fundou o a Gazette du cinéma com Éric Rhomer e Jacques Rivette e, no ano seguinte, fez parte da primeira geração de escritores da revista Cahiers du cinéma, uma das revistas fundacionais no que toca a crítica cinematográfica que, ainda hoje, é vista como referência.

jean-luc godard
Fonte: Far Out Magazine

A incursão na nouvelle vague

Em 1960, Godard estreia-se com a sua primeira longa metragem. O Acossado (À Bout de Soufflé) destaca-se pela rebeldia e é isso que o distingue como uma das películas mais marcantes da nouvelle vague francesa. Com este filme, Godard revela e cumpre o desejo de romper com o paradigma cinematográfico ao contornar e muitas vezes quebrar, efetivamente, “regras” instituídas, reiventando a forma e a si próprio, algo que se vai confirmando nas suas obras, que culminam num exercício experimental que mescla cultura pop, literatura, crítica social e um compasso rítmico absolutamente envolvente.

jean-luc godard
Alphaville | Fonte: IMDB

Nos anos que se seguiram, Jean-Luc Godard não se cingiu a um só género ou a um só estilo. Navegou graciosamente desde o musical neorrealista (Uma Mulher É Uma Mulher) à ficção científica low-budget. É o caso de Alphaville, uma distopia sem sets milionários – a arquitetura circundante já era suficientemente depressiva e jogos de luzes eram suficientes para configurar o tom. As personagens Godard-ianas também são um elemento importante de disrupção. São reflexivas em cena, tanto olham para o horizonte como para a câmara, para o espectador, assumindo uma composição auto e hétero-reflexiva, sem espaço para um visionamento acrítico. Em Pedro, O Louco, o casal de que se ocupa toda a trama, apesar de junto, é profundamente solitário – Marianne “pensa” em voz alta o seu aborrecimento, enquanto Pierrot a ignora e imbui-se em livros e filosofia. Godard pretendia incultar no espectador uma visão crítica e responsiva, onde a suspensão da descrença é substituída por um olhar que mergulha e reflete a película.

Godard: inspiração secular

Jean-Luc Godard pode ser considerado um dos cânones da nouvelle vague mas o seu talento transgressor não se esgota aí. O realizador nunca deixou de utilizar o cinema como forma máxima de expressão e, no seu percurso, influenciou inúmeras pessoas a olharem para o cinema com novos olhos e fez crescer em muitos a vontade de realizar. A sua influência ressoa em clássicos modernos e isso sente-se. Chungking Express, de Wong Kar-wai, por exemplo, é um ótimo exemplo de um filme Godard-iano:  o tom dinâmico e eletrificante é característico do realizador e a construção original da cronologia narrativa, realizada através de duas histórias que se sobrepõem, beneficiou do rompimento de barreiras narrativas possibilitadas pelo trabalho de Godard para contar a história de jovens perdidos numa grande cidade, ecoando alguns dos conceitos de O Acossado.

Apesar de nunca ter sido galardoado com um Óscar, Godard é, sem dúvida, um nome incontornável da história e a sua influência é sentida de maneira transversal entre épocas e géneros, cumprindo-se a alma pioneira que nele nasceu. Martin Scorcese, Wim Wenders ou Pasolini são só alguns dos nomes que citam Godard como grande inspiração e isso vale mais do que qualquer estatueta.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Festival da Canção
Festival da Canção 2021. Conhece as canções e intérpretes desta edição