'The Disciple' venceu o galardão de Melhor Filme LEFFEST.
LEFFEST'20 / Divulgação

LEFFEST’20. ‘The Disciple’ e ‘The Best Is Yet To Come’ são os grandes vencedores

O Festival decorre em Sintra até esta quarta-feira (25).

Já são conhecidos os filmes vencedores das duas categorias em competição na 14ª edição do LEFFEST’20, o Festival de Cinema que decorre em Sintra, até esta quarta-feira (25). The Disciple, realizado por Chaitanya Tamhane, venceu o prémio Melhor Filme LEFFEST e The Best Is Yet To Come, de Jing Wang, ganhou o Grande Prémio do Júri João Bénard Da Costa.

Descrito como sendo uma “reflexão melodiosa sobre o confronto entre tradição e modernidade”, The Disciple conta a história de Sharad (Aditya Modak), um jovem que sonha seguir as pisadas do pai e dedicar-se às tradições centenárias da música clássica indiana. Mas, no contexto de uma Bombaim em rápida mudança, as técnicas clássicas são ameaçadas por novas formas de fazer música. Tendo em conta o cenário, Sharad percebe que o sonho que tem não é adequado à realidade do mundo atual. Esta é a segunda longa-metragem de Tamhane e foi selecionada para a competição oficial do Festival de Veneza, onde venceu o Prémio de Melhor Argumento e o Prémio FIPRESCI. Vai ser exibido esta quarta-feira (25), no Cinema Nimas, às 19h30.

O prémio Melhor Filme LEFFEST distingue o filme do concurso da Seleção Oficial – Em Competição que o júri, do LEFFEST’20, considere que “mais se destacou por acrescentar algo de inovador à linguagem cinematográfica”.

The Best Is Yet To Come é o primeiro filme de Wang Jin, antigo assistente do realizador Jia Zhang-Ke, produtor deste filme, e é passado na China, no ano de 2003. No ambiente do argumento, a internet ainda não conquistou a atenção do mundo, sendo o jornal ainda muito requisitado. Han Dong (Bai-Ke), um estagiário de jornalismo, decide alterar o destino de 100 milhões de pessoas com um único artigo. A produção é inspirada num evento real, usando uma abordagem que combina “realismo crítico” e ficção, seguindo o modo como uma investigação jornalística conseguiu alterar uma legislação discriminatória a propósito de uma contaminação viral. O prémio ganho pelo filme tem como objetivo premiar “as apostas artísticas mais arrojadas da Selecção Oficial – Em Competição”.

Foram ainda atribuídos prémios em igual mérito a nomes emergentes pela “extraordinária contribuição artística”, o chamado Prémio Especial do Júri. Franz Rogowski venceu o galardão pela sua interpretação em Undine, de Christian Petzold e Blanche Gardin ganhou o prémio pelo seu papel em Apaga o Histórico, de Benoît Delépine e Gustave Kervern.

O júri da Selecção Oficial – Em Competição, do LEFFEST’20, é composto pelo escritor e realizador Peter Handke, responsável, por exemplo, pelo argumento de filmes como As Asas do Desejo ou A Cidade dos Anjos, por Frédéric Bonnaud, diretor da Cinemateca Francesa, pela bailarina e coreógrafa Cecilia Bengolea, pelo cineasta e artista Gabriel Abrantes e pelo curador de arte e escritor, Neville Wakefield.