booker prize 2020
Fotografia: Martyn Pickersgill / Divulgação Booker Prize

Douglas Stuart vence o Booker Prize de 2020

O autor venceu o prémio graças ao seu livro de estreia, 'Shaggie Bain'.

Douglas Stuart foi o grande vencedor do Booker Prize de 2020. Um dos maiores prémios da literatura em língua inglesa foi atribuído hoje, 19 de novembro, numa cerimónia adaptada às circunstâncias pandémicas.

O Booker Prize é um dos maiores prémios da literatura em língua inglesa. O galardão distingue o melhor livro de ficção publicado no último ano em inglês e publicado no Reino Unido ou Irlanda. Ao contrário do Prémio Nobel de Literatura, por exemplo, este prémio procura olhar apenas para o livro como obra literária, e não para a carreira de um autor, e pretende trazer atenção, publicidade e reconhecimento ao seu vencedor. O prémio monetário é também significativo: o vencedor ganha quase 56 mil euros.

booker 2020
Imagem: Booker Prize 2020

Douglas Stuart é o segundo autor escocês a vencer o prémio em 51 anos. Shuggie Bain conta a história de um rapaz que cresce em Glasgow, Escócia, durante a década de 1980, e cuja mãe luta contra o alcoolismo. O livro, apesar de ficcional, é fortemente baseado na história pessoal do autor, e a obra é dedicada à sua mãe, que morreu devido ao alcoolismo quando o autor tinha 16 anos. Este é o seu romance de estreia. O autor mudou-se para Nova Iorque após se formar no Royal College of Art, para trabalhar em moda, onde ainda hoje reside com o marido, e está agora a preparar o seu segundo livro, Loch Awe.

O júri afirmou que a obra “está destinada a ser um clássico – um comovente, imersivo e complexo retrato de um mundo social coeso, das suas pessoas e dos seus valores. A emocionante história fala-nos do amor incondicional entre Agnes Bain – que cai no alcoolismo dadas as difíceis circunstâncias de vida com que tem de lidar – e o seu filho mais novo. Shuggie tem dificuldades em assumir a responsabilidade, para lá daquela que lhe deveria ser pedida, dada a sua idade, de salvar a sua mãe de si própria, ao mesmo tempo que lida com novos sentimentos e questões quanto à sua própria alteridade.”

Uma lista de finalistas diversa e inclusiva

A lista de seis finalistas da edição deste ano do Booker Prize era composta por quatro obras de estreia – as dos autores Avni Doshi, Douglas Stuart, Brandon Taylor e Diane Cook. A seleção ficou completa com Maaza Mengiste e Tsitsi Dangarembga. Os finalistas são autores oriundos de vários países, entre eles Etiópia, Zimbabué, India e Escócia. Nenhum deles, no entanto, reside no Reino Unido. A lista deste ano foi também aplaudida pela sua diversidade, não só quanto ao tipo de histórias contadas mas, também, quanto à origem dos seus autores.

A cerimónia deste ano foi realizada num estúdio espaçoso, com o cumprimento de distanciamento social, e com a presença no local de apenas alguns convidados, como uma das vencedoras de 2019, Bernardine Evaristo. Alguns dos convidados virtuais incluíram a Camilla, Duquesa da Cornualha e o ex-Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama – cujo mais recente livro, Uma Terra Prometida, foi lançado dia 17 de novembro, causando o adiamento da cerimónia.

O júri que atribuiu o prémio foi composto por Lee Child (autor britânico, vencedor de um Anthony Award em 1997), Lemn Sissay (escritor etíope-inglês), Sameer Rahim (jornalista literário e autor britânico) e Emily Wilson (classicista britânica, professora da Universidade da Pensilvânia e autora de seis livros, incluindo a tradução da Odisseia de Homero), e liderado por Margaret Busby (editora, escritora e crítica literária nascida no Gana e criada no Reino Unido).

Em 2019, uma decisão controversa do painel de jurados levou à divisão do prémio entre Margaret Atwood, com Os Testamentos, e Bernardine Evaristo, com Rapariga, Mulher, Outra. Ambos foram, entretanto, lançados em Portugal no decorrer deste ano.

O Booker Prize é atribuído anualmente desde 1969. A vitória de Evaristo marcou a primeira vez que o prémio foi atribuído a uma mulher negra, e a divisão do prémio com Atwood foi apenas a terceira vez que tal aconteceu em 50 anos. Antes da vitória de Douglas Stuart, apenas outros quatro autores estreantes tinham ganho o galardão: Keri Hulme em 1985, Arundhati Roy em 1997, DCB Pierre em 2003 e George Sanders em 2017.

Em 2013, foi anunciado que autores americanos poderiam entrar na competição a partir de 2014 – antes disso, apenas eram elegíveis livros escritos por autores provenientes da Grã-Bretanha, Irelanda e países da Commonwealth. Desde então, e apesar da resistência à decisão por parte da comunidade literária britânica, apenas dois vencedores foram americanos: Paul Beatty com O Vendido, em 2016, e George Saunders, com Lincoln no Bardo em 2017.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cristina Ferreira
Cristina Ferreira leva ‘Jornal das 8’ à liderança das audiências