Eurovisão
Fotografia: Eurovision.tv

Eurovisão. Concorrentes vão gravar atuações para assegurar festival

As gravações serão apenas usadas em caso de impedimento de deslocação a Roterdão devido à pandemia.

Depois do cancelamento em 2020, o Festival Eurovisão da Canção continua a preparar a edição do próximo ano adaptada às restrições da pandemia. Para assegurar que o certame acontece em 2021, os artistas a concurso vão poder gravar previamente uma versão da sua atuação para ser exibida nas galas, anunciou esta quarta-feira (18) a União Europeia de Radiodifusão (UER/EBU).

Todas as emissoras a concurso vão gravar uma atuação live on tape – ou seja, gravada em tempo real, como seria no espetáculo em direto e sem qualquer tipo de edição posterior a imagens ou aos vocais, explica a organização em comunicado.

A gravação, a partir de um estúdio em cada país, será apenas utilizada em caso de impedimento de deslocação do concorrente a Roterdão. Esta opção permite que todos os países tenham oportunidade de participar no certame, que vai “definitivamente” acontecer, garante a EBU.

A solução agora anunciada valida qualquer um dos quatro cenários criados para possibilitar a Eurovisão, de acordo com o evoluir da crise sanitária a nível global. As perspetivas apontam que, em caso de restrições às viagens, os representantes podem atuar nos seus países. Noutras opções, com vista a uma melhoria na situação pandémica, pretende-se manter os nove espetáculos numa arena com distanciamento social e com atuações ao vivo dos artistas que se possam deslocar a Roterdão.

Eurovisão
Os cenários que estão em equação para o festival. | Fotografia: EBU/Divulgação

A organização assegura a integridade das atuações

Uma vez que atuações gravadas poderiam criar vantagem para quem optasse por esse método, o Grupo de Referência da EBU criou linhas guia para garantir a integridade das atuações, de forma a manter o concurso justo para todos os participantes. Além da obrigatoriedade de ser gravada como se tratasse de uma transmissão em direto num estúdio – sem edição, cortes ou mudanças de cenário como num videoclipe -, as atuações não terão público e não podem ser divulgadas antes do evento.

É permitido às delegações nacionais usar meios técnicos e visuais semelhantes àqueles que estarão disponíveis na Ahoy Arena, em Roterdão, mas não é possível incorporar elementos para além disso (realidade aumentada, filmagens com drones, utilização de green screen, entre outros). As emissoras são livres de optar por uma produção mais diminuta, tendo em conta os meios disponíveis.

As atuações são planeadas de forma semelhante à pensada para o palco da Eurovisão, planos de câmara e elementos em estúdio incluídos. Cada estação de televisão será supervisionada por um coordenador da organização no local e pelo Supervisor Executivo do certame (cargo ainda ocupado por Jon Ola Sand) e um auditor independente através de uma ligação por chamada em direto, que acompanham a delegação durante os 60 minutos permitidos para esta gravação. Cada participante pode gravar até três vezes a canção (como se fossem os ensaios na arena) e é escolhida uma das versões.

Eurovisão
O palco projetado para a Eurovisão de 2020. Fotografia: EBU/Divulgação

Festival, como já havia sido anunciado, acontece nos dias 18, 20 e 22 de maio de 2021, em Roterdão, nos Países Baixos. Os apresentadores, a imagem gráfica, o design do palco e o slogan – Open Up – previstos para a edição deste ano mantêm-se inalterados. Serão 41 países a concurso, entre os quais Portugal, que já confirmou a nova edição do Festival da Canção.

Mais Artigos
Júlia Pinheiro SIC
‘Júlia’ tem maior audiência de sempre em dia de liderança SIC