A Metamorfose
A Metamorfose
Fotografia: Reprodução/D.R.

105 anos de ‘A Metamorfose’: um conto sobre o absurdo da realidade

Tido como “o melhor e mais conhecido conto da história da literatura de ficção”, A Metamorfose (Die Verwandlung) continua relevante mesmo após mais de 100 anos da sua publicação. A estória da estranha e perturbadora transformação de Gregor Samsa continua a fascinar leitores e estudiosos que continuamente lhe dão uma nova leitura, com uma infinidade de interpretações possíveis.

A Metamorfose foi escrito por Franz Kafka. Kafka nasceu em Praga, capital da República Checa, em 1883, e morreu em 1924, aos 40 anos, vítima de tuberculose. Só alcançou reconhecimento e fama postumamente. Antes de falecer, pediu a Max Brod, amigo, que queimasse todas os contos, textos e cartas que produziu ao longo dos anos. Brod, que sempre o considerou um “génio”, obviamente não o fez, ou a literatura nunca teria conhecido um dos grandes autores do século XX.

Franz Kafka, autor de Metamorfose

Kafka escreveu outros contos como O Processo (1925), O Castelo (1926) e América (1927). Influenciado pela escrita realista e impessoal de Gustave Flaubert, Kafka viria a ser uma influência para autores como Gabriel García Marquez (Cem Anos de Solidão) e Albert Camus (A Peste).

A Metamorfose foi adaptado ao cinema em 2012 por Chris Swanton. A obra continua a ser estudada, tanto pela literatura como pela filosofia, entre outras áreas do conhecimento. Tradutores ainda têm dificuldades em interpretar os termos vagos que Kafka usou, em alemão, para designar o ser no qual o protagonista se transformou.

Em Praga, localiza-se o Museu Franz Kafka, que pretende mostrar ao público o mundo onde o escritor viveu e que o inspirou. Foi criado o Prémio Franz Kafka, em 2001, que apoia escritores contemporâneos anualmente e resulta de uma parceria entre a Franz Kafka Society e a capital checa. A distinção da edição de 2020 foi atribuída a Milan Kundera, autor de A Insustentável Leveza do Ser.

Um conto moderno, 105 anos depois

A Metamorfose passa-se numa sociedade hiper-burocratizada, em que a individualidade do ser humano se perde no meio das obrigações laborais e sociais que lhe são exigidas. Kafka conheceu bem esta realidade: não tendo atingido o sucesso que hoje tem, o escritor passou os seus dias num trabalho administrativo, depois da formação em Direito, que não o satisfazia.

Os temas abordados ao longo de Metamorfose são sintomas do estilo de escrita kafkiano: temas como “alienação, culpa, o sistema judiciário, desumanização”, que põem a cru a complexidade das sociedades contemporâneas, onde o indivíduo se perde no meio da multidão.

A obra de Kafka, por mais triste e surreal que seja, é profundamente realista. Gregor, tal como o indivíduo comum, vivia para trabalhar e esperava sempre por um futuro que, finalmente, o faria sentir verdadeiramente realizado. Projetar os nossos sonhos e objetivos pessoais para um futuro, sempre longínquo e incerto, tem tanto de real como de trágico. A leitura de Metamorfose faz-nos refletir sobre o sentido da nossa existência, dos nossos objetivos e o que estamos de facto a fazer para os cumprir.

Kafka e a Busca Inútil por Sentido

O conto coloca o leitor no centro da problemática, logo na primeira frase: depois de sofrer de sonhos inquietos, Gregor Samsa acorda numa manhã, transformado num gigantesco inseto. Gregor é caixeiro-viajante, emprego que detesta, mas que mantém para sustentar a família para a qual é a única fonte de rendimento. Quando Gregor se vê transformado, a sua única preocupação é chegar a tempo ao trabalho, portanto, é visível o sentimento profundo de responsabilidade familiar.

Como é que isto aconteceu? Kafka não pretende dar quaisquer explicações racionalmente explícitas. Contudo, podemos interpretar esta mudança como a transformação de um homem que já se sentia menos humano a cada dia que a sua energia e objetivos próprios eram sugados pelos familiares que, uma vez “inútil”, o eliminam totalmente das suas vidas.

labirinto

Esta metamorfose não se cinge ao personagem principal, fisicamente diferente mas psicologicamente intacto, sendo estensível a toda a família Samsa. A sua transformação acaba por ser a exteriorização da imagem que os outros tinham dele. Ao ceder a essa imagem, Gregor transformou-se.

A Metamorfose é um conto tipicamente kafkiano, com um cenário labiríntico, e torna absurdos comportamentos que considerávamos normais. Kafka, com este conto, pretende incomodar. Quantas vezes é que encontramos verdadeiramente respostas às grandes questões que nos atormentam à noite? Talvez procurar respostas para esse mesmo tipo de perguntas seja inútil e infrutífero. Talvez a moral da estória seja que lidar com a falta de respostas é inevitável.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Regresso ao Futuro SIC
Opinião. ‘Regresso ao Futuro’ é um ótimo retorno ao passado