Floribella
Fotografia: D.R.

Tic-tac. 14 anos depois, ‘Floribella’ regressa no streaming da SIC

A adaptação portuguesa da novela faz parte do catálogo do OPTO, a nova plataforma do canal

O fenómeno infantil da década passada vai regressar à SIC. 14 anos depois da transmissão original, a adaptação portuguesa de Floribella está de volta no final de novembro, parte do catálogo do OPTO, o novo serviço de streaming da estação de Paço de Arcos.

A história protagonizada por Luciana Abreu, cujos direitos de transmissão voltaram a ser assegurados, regressa na íntegra a par de outros produtos de ficção do canal na nova plataforma de streaming, disponível a partir de 24 de novembro. O catálogo inclui ainda outras produções acarinhadas pelos espectadores nas últimas décadas, como Lua Vermelha ou Médico de Família.

A novidade do regresso tinha sido avançada pela criadora da versão originalCris Morena, numa entrevista na televisão argentina. Em conversa num programa do canal Telefe para falar sobre a retransmissão do original na Argentina, a criadora da série explicou na altura que a novela também iria voltar a “ser lançada em Portugal.

Floribella
Fotografia: D.R.

Além da repetição em Portugal e na Argentina, Floribella também voltou a ser emitida no Brasil, através da emissora Band. Cris Morena refere ainda países como a Rússia, revelando que a retransmissão das versões locais deve acontecer nesta mesma época em alguns dos mais de 30 territórios onde a telenovela foi transmitida na década passada.

Um sucesso sem precedentes

Adaptada do original Floricienta de 2004, a adaptação portuguesa da novela juvenil, produzida por Cris Morena e Teresa Guilherme, tornou-se um fenómeno de audiência depois da sua estreia em 2006 e foi o primeiro grande sucesso da ficção nacional da SIC da última década.

A primeira temporada conta a história de Flor (Luciana Abreu), uma jovem órfã sonhadora que trabalha para viver e canta numa banda de garagem. Ao apaixonar-se por Frederico Fritzenwalden (Diogo Amaral), jovem rico encarregue de gerir as empresas da família depois da morte dos pais, acaba por ser aceite na mansão da família para tomar conta das crianças – e ter a vida infernizada por Delfina (Susana Mendes), Magda (Mafalda Vilhena) e Sofia (Maya Booth). A história altera-se da primeira para a segunda temporada, com a morte de Frederico e a chegada do Conde Máximo (Ricardo Pereira), que fica a cargo do clã e volta a ter o coração roubado por Flor.

Transmitida originalmente na SIC até 2008, teve a segunda temporada repetida nas manhãs de fim-de-semana em 2012 para substituir Rebelde Way. Chegou também a fazer parte da programação do Disney Channel entre 2007 e 2009, da SIC K entre 2010 e 2012 e ainda da RTP África.

O sucesso foi para lá do ecrã e a marca Floribella deu origem a revistas, merchandise, musicais, discos e DVDs. A novela fez sucesso também em outros países: transmitida na versão original em dezenas de territórios, foi adaptada, além de em Portugal e no Brasil, em territórios como o Chile, Colômbia, México, Grécia ou Rússia.

A série estará pela primeira vez disponível na íntegra on-demand na nova plataforma de conteúdos da SIC, o OPTO. O serviço será constituído por produtos gratuitos e pagos produzidos pela estação, entre os quais “centenas de séries, documentários, novelas, sketches e outros formatos”, anunciam. Além de uma versão acessível sem custos, a OPTO terá conteúdos exclusivos na versão premium – séries, noticiários e outras apostas.

Mais Artigos
A Espia
‘A Espia’ tem uma segunda temporada já em desenvolvimento