Sean Connery

Sean Connery, o eterno ‘James Bond’, morre aos 90 anos

Com uma carreira com mais de sessenta anos, recebeu vários galardões, incluindo um Óscar

O ator escocês Sean Connery morreu este sábado (31), segundo disse a família à BBC. A estrela de cinema responsável por ter sido o primeiro a interpretar a personagem James Bond partiu com 90 anos de idade.

A informação foi avançada pela BBC, que não fez saber os motivos da morte. Com uma carreira com mais de sessenta anos, Sean Connery recebeu vários galardões, incluindo um Óscar, dois Baftas e três Globos de Ouro. Recebeu a estatueta dourada, como ator secundário, em 1988, pela representação de um polícia no filme Os Intocáveis.

Connery notabilizou-se ao ter sido o primeiro a interpretar o espião ao serviço da coroa britânica, tendo estrelado sete filmes como James Bond. “Ele foi amplamente considerado como o melhor ator a interpretar 007 na franquia de longa duração, sendo muitas vezes citado como tal nas pesquisas“, refere a BBC.

Do seu vasto currículo, constam ainda presenças nos filmes Caça ao Outubro Vermelho, Indiana Jones e a Última Cruzada, O Rochedo ou O Nome da Rosa. Em 2003, Liga de Cavalheiros Extraordinários marcou a sua última aparição no grande ecrã, tendo-se retirado, após o fracasso comercial do filme.

Para além das distinções da indústria, Sean Connery recebeu várias condecorações de Estado. Em 1991, o governo francês atribui-lhe a Legião de Honra e, no ano 2000, a rainha Elizabeth II concedeu-lhe o título de Cavaleiro do Império Britânico.

Inicialmente previsto para abril deste ano, o próximo filme da saga 007 tem agora estreia marcada para 2 de abril de 2021. 007: Sem Tempo Para Morrer, o 25.º filme do espião britânico James Bond, será o último de Daniel Craig no papel principal.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
O realizador Francisco Manso conversou com o Espalha-Factos sobre o seu novo filme, 'O Nosso Cônsul em Havana'
Entrevista. Francisco Manso: “O Eça é uma figura do mundo e é importantíssimo para a língua portuguesa”