Winona Ryder
Fotografia: NYT

Winona Ryder. O ícone dos anos 90 que voltou à ribalta

A atriz norte-americana completa 49 anos

Winona Ryder é uma das atrizes mais queridas do cinema norte-americano e completa esta quinta-feira (29) 49 anos. Foi durante os anos 90 que viveu anos de auge na carreira; depois de algumas polémicas e problemas pessoais, voltou em grande às luzes da ribalta.

A atriz, apesar de ter estado afastada dos ecrãs durante vários anos, conta já com mais de 30 anos de carreira – foi desde cedo que se aventurou no mundo da representação. A sua estreia no cinema aconteceu em 1985 com o filme Lucas, produzido por David Seltzer, ao qual se seguiu, em 1987, Square Dance. Apesar dos dois primeiros filmes terem sido bem recebidos pela crítica, o seu primeiro grande sucesso viria apenas em 1988, com Beetlejuice. Produzido por Tim Burton, o filme acompanha Lydia e a sua família que se mudam para uma casa assombrada.

Como Lydia, Winona contracenou com outros grandes nomes de peso, como Alec Baldwin, Geena Davis e Michael Keaton.  O filme foi um sucesso e recebeu várias críticas positivas. Ainda no mesmo ano, junta-se ao elenco do filme independente Heathers. No papel de Verónica, Ryder arrecadou bastantes críticas positivas. Apesar do filme não ter singrado em termos de bilheteira, Heathers é hoje em dia considerado um filme de culto.

Winona Ryder
Winona Ryder como Lydya em ‘Beetlejuice’ (1988) | Fotografia: D.R.

Em 1990 voltou a trabalhar com Tim Burton, no filme que é provavelmente um dos maiores da sua carreira: Eduardo Mãos de Tesoura. O clássico foi um sucesso de bilheteira e juntou Ryder a outro grande nome, Johnny Depp, com quem viria a manter uma relação. Ainda no mesmo ano junta-se a Cher e a Christina Ricci no filme Mermaids. O seu desempenho valeu-lhe uma indicação para o Globo de Ouro de Melhor Atriz Secundária.

Os anos 90 foram os anos de ouro para Winona. Durante a década de 90 entrou em alguns dos maiores filmes da sua carreira: Bram Stoker’s Dracula (1992), The Age Of Innocence (1993), Reality Bites (1994), Little Woman (1994), Allien Resurrection (1997) e Girl Interrupted (1999).

Problemas pessoais e o regresso ao estrelato

Em 2001, Winona foi detida após denúncias de furto. A atriz, que estava na altura altamente medicada, tinha sido diagnosticada com uma depressão. Ryder foi condenada a cumprir trabalho comunitário e ficou em liberdade condicional até 2005. A pressão do estrelato e o fim do seu noivado com Johnny Depp, com quem manteve uma relação durante 3 anos, terão sido catalisadores para a depressão da atriz.

Depois de ter estado afastada das luzes da ribalta, Winona fez um regresso gradual à representação. Seguindo-se a parições em filmes como Star Trek e The Private Life Of Pippa Lee, a atriz marca o seu regresso com Black Swan. Ao lado de Natalie Portman e Mila Kunis, e apesar de desempenhar um papel secundário, Winona prova que ainda tem muito talento por mostrar. Em 2012 volta a trabalhar com Tim Burton em Frankenweenie, filme de animação acompanha Victor na sua missão de trazer de volta à vida o seu cão Sparky.

Stranger Things
Winona Ryder em ‘Stranger Things’ (2016) | Fotografia: Divulgação

O trabalho mais recente de Winona Ryder tornou-se um verdadeiro fenómeno e continua ainda a conquistar fãs. Em Strager Things, sucesso da Netflix que estreou em 2016 e já está a caminho da quarta temporada, interpreta Joice Byers, uma mãe solteira que vê o seu filho mais novo desaparecer misteriosamente. Pela sua prestação, Winona foi nomeada já por duas vezes na categoria de Melhor Atriz em série dramática.

Com Stranger Things, Ryder provou com voltou para ficar e para mostrar que continua a ser uma das mais complexas atrizes de Hollywood. Depois do sucesso da série, Winona voltou ainda ao grande ecrã com Destination Wedding (2018), onde voltou a contracenar com Keanu Reeves. Este ano juntou-se ainda ao elenco da minisérie The Plot Against America, da HBO.

Mais Artigos
Mark Ruffalo em Zodíaco
Mark Ruffalo: uma carreira que vai muito além de Hulk