Lisboa arte urbana
Fotografia: Mike Locke / Flickr

Lisboa apelidada de ‘cidade tela’ da arte urbana

Lisboa é comparada pelo jornal espanhol El Periódico a uma “tela de pintura da arte urbana”.  Num artigo longo, são explorados os ex-líbris da arte urbana na capital portuguesa.

A metrópole portuguesa foi distinguida no jornal El Periódico, sendo afirmado que esta é uma cidade com um grande legado artístico, histórico e cultural,  sendo eleita por vários artistas nacionais e internacionais para exibir a sua arte pelas ruas da capital.

O artigo considera que as principais criações de arte urbana podem ser apreciadas no centro da cidade, no entanto, tais criações também se encontram em alguns bairros lisboetas como no Bairro Alto, Entrecampos, Marvila, Parque das Nações e Monsanto, e ainda em zonas limítrofes como Amadora, Loures e Barreiro.

Para além dos bairros, os artistas urbanos Vhills, PichiAvo e Bordalo II são referidos como “mestres urbanos” e “artistas de primeiro nível“. É importante referir que Vhills e Bordalo II são ambos artistas portugueses, com várias das suas criações urbanas espalhadas pelas ruas lisboetas.

Assim, o jornal El Periódico sugere três lugares lisboetas imprescindíveis de visitar quando o assunto é arte urbana.

O primeiro local mencionado é o panorâmico de Monsanto, localizado no parque florestal de Monsanto. De acordo com o jornal espanhol, neste local os artistas plásticos utilizam a luz, os azulejos tipicamente portugueses, tecidos, plásticos e até mesmo objetos bastante grandes, como carros velhos, para criar um local único, repleto de arte urbana, em pleno pulmão lisboeta.

A Quinta do Mocho, em Sacavém, no concelho de Loures, aparece em segundo lugar como local essencial de passagem na rota da arte urbana lisboeta, segundo o El Periódico. A poucos quilómetros do centro da cidade, este local converteu os seus edifícios degradados em obras de arte originais, tornando o lugar a maior galeria de arte urbana da Europa.

Vhils, Bordalo II, Pantónio, Mário Belém, entre outro, foram os artistas responsáveis pela transformação do local. Artistas estes que o jornal espanhol menciona como “artistas urbanos reconhecidos a nível internacional“.

Por fim, o último espaço mencionado é a Cidade da BD, a Amadora. O tema deste local é “conversas na rua” e existem mais de uma centena de muros convertidos em obras de arte, de forma a aprimorar a paisagem. Todos estes locais podem ser visitados gratuitamente em Lisboa, sendo uma boa sugestão cultural para um programa de fim de semana em família.

Lê também: Séries e filmes para inspirar os teus disfarces de Halloween

 

Mais Artigos
Nuno Eiro de regresso à TVI
Nuno Eiró está de regresso à TVI com programa nas manhãs