Unsolved Mysteries
Unsolved Mysteries

Há mais seis ‘Mistérios Sem Solução’ para resolver na Netflix

Depois de lançar seis Mistérios Sem Solução a 1 de julho, a Netflix divulga os restantes seis, que completam a dúzia e a primeira temporada, a 19 de outubro.

Os espectadores ficam a conhecer mais casos verídicos de desaparecimentos misteriosos, homicídios chocantes e encontros paranormais. O primeiro lançamento foi um sucesso, tal como os restantes documentários de crime e de fenómenos inexplicáveis da plataforma de streaming. “Aprendemos que as audiências gostam de ficar assustadas, e histórias reais assustam as pessoas”, afirmam Terry Dunn Meurer e John Cosgrove, os produtores originais, que contam agora com a contribuição dos produtores de Stranger Things.

Cada episódio da série documental explora um crime por resolver. Através de entrevistas documentadas, reconstituições, pistas e teorias, os detetives e jornalistas envolvidos tentam solucionar cada investigação. No final dos episódios, é pedida a colaboração dos espectadores no caso de terem pistas que ajudem, de alguma forma, a encerrar o caso. Basta dirigirem-se a unsolved.com, onde estará uma equipa preparada para tratar as novas informações que, idealmente, contribuirão para resolver o mistério.

O trailer mostra-nos que crimes vão ser escrutinados nos próximos episódios. A música sinistra, as sirenes e os trechos dos episódios propiciam arrepios que decerto se perpetuarão ao longo do visionamento do que aí vem. São estas as sinopses dos seis episódios que estreiam nesta segunda-feira, 19:

  • Lady in the Lake

A morte de JoAnn Romain foi declarada suicídio depois de o seu corpo ter sido encontrado a flutuar no rio de Detroit, após o seu desaparecimento no lago St. Clair, em 2010. Ainda assim, as circunstâncias da sua morte foram questionáveis: um jornal local revelou, em 2016, que ela teria de ter atravessado o lago gelado em botas de salto alto em pleno inverno. A sua filha, Michelle, acredita que a mãe foi assassinada.

  • Tsunami Spirits

Os habitantes de Ishinomaki, no Japão, reportaram vários avistamentos de fantasmas depois do tsunami de 2011, que atingiu a área e instaurou o caos. No trailer, podemos ver cenas assustadoras dentro de uma casa japonesa, que revelam que o enredo dos fantasmas será explorado, no total, em dois episódios desta leva.

  • Washington Insider Murder

Em 2010, o corpo de John P. Wheeler III foi encontrado num aterro sanitário em Delaware. A sua morte foi considerada homicídio, mas encontra-se por solucionar. Wheeler tinha uma carreira próspera em Washington D.C. e fazia parte de diversos projetos, tais como o Vietnam Veterans Memorial Fund, onde era presidente do Conselho de Administração.

  • Stolen Kids

Depois de duas crianças desaparecerem em Harlem, em 1989, presumiu-se que os dois casos estivessem interligados. A polícia não conseguiu solucioná-los e ambas as crianças continuam desaparecidas até ao dia de hoje.

  • A Death in Oslo

Este episódio explora a história de uma mulher que deu entrada no hotel Oslo Plaza utilizando o pseudónimo Jennifer Fergate. Foi encontrada morta no seu quarto, tendo sido atingida por uma bala na cara. Depois de ter sido considerado suicídio, foi o caso foi re-examinado e está por resolver.

  • Death Row Fugitive

Lester Eubanks é um dos homens mais procurados nos Estados Unidos. Desapareceu durante uma ida rápida às compras de Natal, de acordo com os U.S. Marshals. Estava a cumprir prisão perpétua depois de ter sido acusado da violação e posterior homicídio de uma jovem de 14 anos. Foi castigado com pena de morte, mas desapareceu.

Lê também: ‘Mistérios Sem Solução’ traz à Netflix crimes por resolver

Depois dos primeiros episódios, o caso de Alonzo Brooks foi reaberto. 16 anos depois, o cadáver foi desenterrado e a investigação retomada. O FBI inclusive anunciou uma recompensa de até 100 mil dólares para quem avance com informações pertinentes acerca deste homicídio. Os seis episódios iniciais motivaram milhares de contactos com possíveis pistas. Umas credíveis, outras nem tanto. A mais credível, segundo Terry Dunn Meurer, foi uma fotografia, alegadamente, de Xavier Dupont, o homicida francês que desapareceu sem deixar rasto.

À Variety, Meurer revelou ainda que “as reações nas redes sociais têm sido incríveis“, ao testemunhar o empenho dos utilizadores da Netflix na elaboração de teorias. Explicou ainda que a seleção de casos que serão tratados nos episódios passa por todo um processo para garantir diversidade: “Temos internacional versus nacional, temos rural versus urbano, temos diversidade etária, temos diversidade étnica e racial”.

‘Mistérios Sem Solução’ é uma adaptação da Netflix. O conceito original surgiu em 1987, na NBC, com o mesmo nome. Depois de nove temporadas, mudou-se para a CBS, onde acabou por ser cancelada. Em 2000, a Lifetime reavivou-a e em 2020 foi a vez da Netflix. Todas estas tentativas devem-se ao sucesso deste programa que, desde os anos 80, explora eventos sem explicação por todo o mundo. Desde o início, já ajudou a resolver mais de 260 casos. É o programa perfeito para os “detetives de sofá”, os amantes de policiais e de documentários de crime.

Mais Artigos
Pedro Pinto e Cristina Ferreira
Cristina Ferreira reage à saída de Pedro Pinto