Disney+

Disney+ coloca aviso de conteúdo discriminatório em seis clássicos

Seis clássicos da Disney passaram a ser antecedidos por avisos de conteúdo discriminatório na plataforma Disney+. O aviso presente antes da visualização do conteúdo expressa que os filmes podem conter “representações culturais datadas”.

Estes estereótipos estavam errados antes e estão errados agora. Em vez de remover este conteúdo, queremos reconhecer o seu impacto negativo, aprender com ele e iniciar um debate para, juntos, criarmos um futuro mais inclusivo”, pode ler-se no aviso. A Disney está, assim, “empenhada em criar histórias com temas” que “refletem a diversidade rica da experiência humana em todo o mundo”.

Para além de Peter Pan (1953) e Dumbo (1971), também A Dama e o Vagabundo (1955), Os Aristogatos (1970), O Livro da Selva (1967) e A Família Robinson (1960) contêm generalizações culturais inapropriadas, segundo a plataforma.

Aristogatos Disney
Representação ofensiva da cultura chinesa em ‘Aristogatos’.

Entre outros exemplos, a plataforma de streaming refere o gato que representa pessoas asiáticas com “características físicas exageradas, como olhos em bico e dentes aguçados” enquanto fala de comida chinesa com sotaque estereotipado, em Aristogatos.

Também “os corvos e os espetáculos musicais com pessoas caucasianas, de caras pintadas de preto e figurinos, imitam e ridicularizam pessoas africanas escravizados nas plantações do sul norte-americano”, em Dumbo.

Estereótipos no filme Dumbo da Disney

Já não é a primeira vez que a Disney se responsabiliza por este tipo de conteúdos. No início deste ano, o CEO Bob Iger anunciou que o filme Song of the South (1946) não estaria disponível na plataforma streaming pelo seu carácter racista. O filme de 1946 foi criticado pela romantização da vida em plantações nos Estados Unidos.

Entre alguns especialistas consultados pela Disney estão representantes da Define American; Geena Davis Institute on Gender in Media; Hollywood, Health & Society; IllumiNative, NALIP e Respect Ability, segundo o Hollywood Reporter.

Mais Artigos
Gal Gadot
Escolha de Gal Gadot para Cleópatra está a ser criticada como ‘whitewashing’