Kiss the Ground
Fotografia: Divulgação / IMDb

Kiss The Ground: Até quando vamos deixar o copo encher?

Passaram quase 40 anos desde a estreia em televisão, em 1981, do primeiro documentário sobre a existência de alterações climáticas causadas pelo ser humano. Até hoje, foram lançadas dezenas de outros documentários sobre as causas, os efeitos e possíveis “soluções” para aquele que é considerado um dos grandes desafios do século XXI. Dada a importância do tema, não é surpresa que alguns destes trabalhos tenham ganho notoriedade e popularidade, ao ponto de promoverem mudanças de comportamentos nos espectadores: quase todos conhecemos alguém que se tornou vegan ou vegetariano depois de ver Cowspiracy: o segredo da sustentabilidade.

Esta mediatização de documentários sobre o ambiente encerra um conjunto de desafios: simplificar causas, efeitos e sugerir soluções únicas e últimas, apesar de ajudar no discurso e na transmissão da mensagem, acaba por introduzir um conjunto de más interpretações – quer por parte do/a produtor/a, quer do/a espectador/a – que podem, sem querer, fazer mais mal do que bem.

Isto acontece porque, em primeiro lugar, as soluções apresentadas são geralmente relacionadas com escolhas individuais como força-motriz de alterações sistémicas – as chamadas ‘soluções do lado da procura’ – em detrimento de fazer pensar no sistema como um todo e no papel mais ‘abstrato’ não imediatamente ao alcance de cada um de nós, mas sim um esforço conjunto local, regional, nacional e global – as ‘soluções do lado da oferta’. Por outro lado, também se percebe que seja mais fácil e apetecível tentar criar no público o sentido de ‘responsabilidade’ pessoal/individual por cada uma das suas escolhas, deixando de lado o quão enraizado no sistema de produção estão as emissões de gases com efeito de estufa: mais do que se produz e consome, importa saber como e onde é feita essa produção, uma vez que isso afeta diretamente a pegada ecológica do que quer que comamos.

Kiss the Ground
Fotografia: Kiss the Ground / Divulgação

Mais um documentário ‘alarmista’ com uma solução ‘milagrosa’?

Kiss the Ground, lançado no final do mês de setembro e disponível na Netflix, é parte de um projeto mais amplo que conta também com um livro, um blog e um podcast relacionados com a mitigação das alterações climáticas. Sob o lema “Nós Conseguimos” (We Can Do It), é apresentado um conjunto de ‘soluções’ que, através do modo de gestão da produção agropecuária, florestal de desperdício alimentar permitem capturar parte do carbono presente na atmosfera. É um documentário de Esperança.

“Há tantas más notícias sobre o nosso planeta que é avassalador. O medo de irmos em direção a um penhasco paralisa a maioria de nós. A verdade é que desisti. E, provavelmente, vocês também. Mas e se houvesse outra forma?”

Realizado e produzido por Josh e Rebecka Tickel, Kiss the Ground conta com a voz de Woody Harrelson (conhecido, entre outros, pelo seu papel em True Detective) para narrar os pressupostos científicos, as soluções propostas e alguns exemplos onde estas respostas foram postas em prática com efeitos benéficos. Conta também com a participação de outras figuras mediáticas como Ian Somerhalder, Giselle Bündchen, Jason Mraz e Tom Brady.

Kiss the Ground não esconde ao que vem: em lado algum é dito que o sequestro de carbono no solo é a única solução para remover dióxido de carbono da atmosfera (ao contrário do que acontece com, por exemplo, Cowspiracy, e toda a narrativa de que tornar-se vegan ou vegetariano é a única solução para não morrermos todos) ; em vez disso, procura mostrar que tipo de benefícios ecológicos, económicos e sociais podem ser esperados com uma nova forma de pensar a produção alimentar, e de que forma esse novo paradigma deve ter em conta não só o melhor conhecimento científico possível, mas também o conhecimento popular/tradicional, para que a tomada de acção seja mais facilmente atingível.

Uma solução debaixo dos nossos pés [spoilers]

No que diz respeito ao carbono no nosso mundo, há muita confusão”: o carbono não é “mau da fita” (lembremo-nos da recente campanha da EDP, entretanto corrigida, que apelava a uma geração “carbono zero”), o problema reside na quantidade de carbono que estava muito bem guardado no subsolo como combustíveis fósseis, e que foi transferida para a atmosfera sob a forma de CO₂, com os efeitos no clima que todos conhecemos.

A ‘solução’ apresentada passa por capturar esse carbono atmosférico pelas plantas, transferi-lo para a matéria orgânica do solo, de forma a que esse carbono seja ‘guardado’, e utilizado de volta na criação de melhores condições para a produção agrícola. Para além disso, cria condições para proteger o solo da desertificação (a palavra chique que usamos quando a terra se torna em deserto), apresentada logo no início do documentário como uma das grandes causas do colapso de algumas civilizações por sobrecarga nos recursos naturais, como o solo e a água.

A relação entre o solo, as plantas e o clima é paralela à relação entre o solo, a alimentação e a sociedade, economia e política: um bom solo tem condições para servir de suporte a mais vegetação, que por sua vez produz mais humidade (40% das chuvas globais têm origem em humidade não causada por evaporação de água, mas sim transpiração de plantas) e captura mais carbono que – pescadinha de rabo na boca – permite solos mais ricos e assim sucessivamente. Da mesma forma, “solos pobres criam pessoas pobres; pessoas pobres levam ao colapso social”: o documentário refere um total estimado de 40 milhões de pessoas que, anualmente, se vêm deslocadas das suas terras, e que até 2050, mil milhões de pessoas serão refugiados devido à desertificação.

“Solos marginais, cultivados em condições marginais, produzem colheitas marginais e permitem vidas marginais. Por outro lado, cultivados em condições óptimas, produzem boas colheitas e criam boas condições de vida” – Rattan Lal

Onde falha: afinal, é um documentário na Netflix

Kiss the Ground também não deixa que nos esqueçamos de que se trata ‘apenas’ de ‘mais um’ um documentário de massas (e pouco mal há nisso): muitos dos valores apresentados são referentes a máximos de uma janela de possibilidades de vários modelos (por exemplo, os mil milhões de refugiados da desertificação até 2050 vêm de um estudo que apresenta uma estimativa entre 25 e 1000 milhões, com um valor mais amplamente referido de 200 milhões).

Watch the Trailer for Ian Somerhalder's Hopeful Netflix Documentary on Climate Change - Kiss the Ground Film
Ian Somerhalder (Fotografia: Divulgação)

A presença das figuras públicas ao longo do documentário parece ter apenas o intuito de dar alguma visibilidade pop ao tema, quando na esmagadora maioria das intervenções, estas personalidades acrescentaram nada ao conteúdo da mensagem que os produtores procuram transmitir. Exceção talvez perdoada à viagem de Ian Somerhalder ao Zimbabué para ver na primeira pessoa o trabalho de Allan Savory, também ele relativamente mediatizado em 2013 com uma TED Talk sobre o tema, que conta com mais de 10 milhões de visualizações entre o site oficial da TED e o YouTube.

Giselle Bündchen e Tom Brady surgem num segmento de pouca ou nenhuma importância para a mensagem global, relacionado com a ‘qualidade’ dos alimentos, enquanto a intervenção de Jason Mraz parece ser feita à volta de “tenho uma quinta, produzo abacates e sou vegan”.

O último ponto a assinalar prende-se com o momento particularmente baixo na narrativa: ao explicar um conjunto de condições que levaram ao modo de produção industrial da agropecuária após a Segunda Guerra Mundial, os produtores caíram na ‘armadilha’ de estabelecer a relação entre as câmaras de gás do Holocausto e as primeiras armas químicas com a criação e distribuição de pesticidas e fertilizantes artificiais. Não discutindo a verdade desse segmento, a realidade é que os pressupostos científicos e o benefício prático das soluções apresentadas valem por si; mas percebe-se o efeito ‘choque’ que é sempre tão fácil de conseguir com a mais subtil referência ao Holocausto.

A mensagem que fica

Woody Harrelson despede-se com esta deixa (seguida de uma versão acústica de I Won’t Give Up de Jason Mraz de encolher o corpo na cadeira, para questionar um pouco mais a sua prestação neste documentário):

“(…) o nosso planeta pulsa de vida. Por milhões de anos, tem-se curado e equilibrado sozinho; mas hoje a nossa espécie enfrenta o seu maior desafio. A nossa missão é simples: temos de aproveitar o poder regenerativo da própria terra. Vamos fazer assim: eu não vou desistir; e vocês também não deviam.”

Capturar carbono da atmosfera e colocá-lo no solo, apesar de todos os efeitos positivos que tem na produção e segurança alimentar, não é a solução, mas sim uma solução, num conjunto muito alargado de mudanças que devem ser feitas não só ao nível das escolhas individuais, mas também de tudo o que está errado com o modo de produção vigente: lucro rápido sem vista à sustentabilidade a médio-longo prazo, preços garantidos antes da colheita, monoculturas intensivas e o que tudo isso e outro mais significa em termos de destruição dos recursos naturais e, consequentemente, da própria condição da espécie humana.

O dióxido de carbono na atmosfera funciona como a água da torneira a cair num copo; neste momento, a torneira está totalmente aberta e o copo quase a transbordar. Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa é fechar um bocadinho o caudal da torneira; o copo continua a encher. É preciso fechar a torneira e fazer com que o copo pare de encher. Esse copo está na nossa mão: muito cheio durante muito tempo acaba por cansar o braço, o copo cai e parte-se. Para evitar isso, mais do que fechar a torneira é preciso mandar alguma dessa água fora, ou melhor, bebê-la. A mão agradece, o copo fica intacto, e ainda nos hidratamos.

Na atmosfera passa-se o mesmo: não estamos a conseguir fechar a torneira, muito por inação política; mas se capturarmos algum do carbono em excesso na atmosfera é possível ganhar algum tempo para o surgimento de uma solução mais viável e, pelo caminho, alimentar muita gente que bem precisa.

O copo está bem cheio e a mão começa a doer, mas já localizamos a torneira, sabemos como fechá-la e sabemos como esvaziar ligeiramente o copo. Mas estamos paralisados.

 

 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
salas de cinema
Salas de cinema vão estar abertas nas manhãs de fim-de-semana